09:40 16 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 e Brasil em meados de dezembro (59)
    0 150
    Nos siga no

    O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski autorizou estados e municípios do Brasil a adquirirem e distribuírem vacinas contra a COVID-19 registradas por autoridades sanitárias estrangeiras, caso a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) leve mais de 72 horas para dar aval ao imunizante estrangeiro.

    O ministro expediu a autorização nesta quinta-feira (17). Lewandowski diz que prefeitos e governadores podem importar e operacionalizar campanhas de imunização no caso de descumprimento do plano nacional de vacinação por parte do governo federal, ou "na hipótese de que este não proveja cobertura imunológica tempestiva e suficiente contra a doença".

    A decisão foi dada em uma ação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Questionando a demora do governo federal em vacinar a população brasileira, a OAB argumentou, junto ao STF, que essa dispensa de autorização deve valer para imunizantes que tiverem obtido registro em renomadas agências de regulação no exterior.

    "Com fundamento nas razões acima expendidas [...], poderá dispensar à respectiva população as vacinas das quais disponha, previamente aprovadas pela Anvisa, ou se esta agência governamental não expedir a autorização competente, no prazo de 72 horas, poderá importar e distribuir vacinas registradas por pelo menos uma das autoridades sanitárias estrangeiras e liberadas para distribuição comercial", determinou o ministro Lewandowski.

    A chamada "Lei COVID-19", aprovada pelo Congresso Nacional no início da pandemia, já prevê a mesma medida autorizada nesta quinta-feira (17) por Lewandowski: a autorização automática de importação de vacinas estrangeiras caso a Anvisa não se manifeste, em até 72 horas, sobre qualquer imunizante que tenha conseguido registro no Japão, nos EUA, na Europa ou na China.

    Desta forma, a ação da OAB pede que o Supremo declare a "plena vigência e aplicabilidade" da legislação.

    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, durante cerimônia no Palácio do Planalto, Brasília, 8 de dezembro de 2020
    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, durante cerimônia no Palácio do Planalto, Brasília, 8 de dezembro de 2020

    O Plano Nacional de Operacionalização da Vacina contra a COVID-19 foi apresentado nesta quarta-feira (16) pelo Ministério da Saúde. Nesta quinta-feira (17), o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, assinou uma Medida Provisória que autoriza a liberação de um crédito extraordinário de R$ 20 bilhões para a aquisição de vacinas contra a COVID-19.

    Tema:
    COVID-19 e Brasil em meados de dezembro (59)

    Mais:

    Vacina Sputnik V chegará à Argentina no dia 24 de dezembro, diz governo do país
    Entrada do Brasil na OCDE traz investimento para geração de crédito de carbono, diz economista
    Uruguai fechará fronteiras durante festas de fim de ano devido à COVID-19
    'Acredito que falhamos', diz rei da Suécia ao governo sobre estratégia do país de combate à COVID-19
    Tags:
    Ricardo Lewandowski, novo coronavírus, COVID-19, vacina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar