05:46 17 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 e Brasil em meados de dezembro (59)
    135
    Nos siga no

    Segundo o ministro da Saúde, o país espera receber, até março, 93,4 milhões de injeções. Após o anúncio, Pazuello disse que o Brasil está "em uma vanguarda" quanto à vacinação contra a COVID-19.

    O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou nesta quinta-feira (17) a previsão de que o Brasil deve receber 24,7 milhões de vacinas contra a COVID-19 no mês de janeiro. Segundo o ministro, são três os imunizantes previstos nesta entrega: da AstraZeneca, da Sinovac e da Pfizer.

    Para fevereiro, são previstas mais 37,3 milhões de vacinas. Para março, outras 31 milhões de doses. No total, o Brasil espera receber 93,4 milhões de injeções nos primeiros três meses de 2021.

    A previsão foi anunciada em sessão do Senado realizada pela Internet para debater o plano nacional de vacinação contra o novo coronavírus.

    "A data exata é o mês de janeiro. [...] Isso tudo dependendo do registro da Anvisa. Se somarmos esses números, vamos ter 24,7 milhões de doses em janeiro. Isso é daqui a 30 dias. Janeiro, aqui, eu falo meio de janeiro", disse Pazuello, em sessão que foi transmitida pelo YouTube.

    Pazuello especificou o número de doses de cada fabricante para os meses de janeiro e fevereiro. Em janeiro, são esperadas 500 mil doses de vacinas da Pfizer, nove milhões da Sinovac (produzidas pelo Instituto Butantan) e 15 milhões da AstraZeneca. Já em fevereiro, a previsão é de mais 500 mil doses da Pfizer, 22 milhões do Butantan e 15,2 milhões da AstraZeneca.

    Agente de saúde recebe doses da vacina chinesa CoronaVac durante testes em São Paulo, 11 de dezembro de 2020
    © REUTERS / Amanda Perobelli
    Agente de saúde recebe doses da vacina chinesa CoronaVac durante testes em São Paulo, 11 de dezembro de 2020

    Na mesma sessão, Pazuello ainda rebateu as críticas que vêm sendo feitas ao Ministério da Saúde e afirmou que o Brasil está "em uma vanguarda" na campanha de vacinação.

    "Temos dez fabricantes no consórcio e, no momento em que sair o registro de uma das dez, nós podemos optar pela compra de uma delas e vamos para 42 milhões de doses entregues. Todas essas possibilidades e números [...]. Estamos em uma vanguarda, não estamos sendo atropelados, estamos em uma vanguarda", disse o ministro.

    O governo federal anunciou o plano nacional de vacinação contra a COVID-19 nesta quarta-feira (16). Logo após o anúncio, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse que Pazuello é um "desastre" no cargo de ministro da Saúde.

    Tema:
    COVID-19 e Brasil em meados de dezembro (59)

    Mais:

    Vacinação contra COVID-19 na UE deve começar no dia 27 de dezembro, diz ministro alemão
    Uruguai fechará fronteiras durante festas de fim de ano devido à COVID-19
    'Acredito que falhamos', diz rei da Suécia ao governo sobre estratégia do país de combate à COVID-19
    Bolsonaro edita MP que libera R$ 20 bilhões para vacinação contra COVID-19
    Tags:
    Ministério da Saúde, pandemia, novo coronavírus, COVID-19, vacina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar