02:15 27 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 11
    Nos siga no

    O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) denunciou seis pessoas pela morte de João Alberto Silveira Freitas, homem negro espancado em uma loja do supermercado Carrefour, em Porto Alegre, na véspera do Dia da Consciência Negra.

    A denúncia apresentada pelo promotor André Martinez nesta quinta-feira (17) acusa os seguranças Giovane Gaspar da Silva e Magno Braz Borges, e os funcionários do supermercado Adriana Alves Dutra, Paulo Francisco da Silva, Kleiton Silva Santos e Rafael Rezende.

    Os acusados vão responder por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, asfixia e recurso que impossibilitou a defesa da vítima). As informações foram publicadas pelo portal G1.

    A frase Vidas pretas importam, vista de cima, cobre a Avenida Paulista perto do MASP (Museu de Arte de São Paulo), 23 de novembro, 2020. As palavras foram escritas pelos ativistas após a morte brutal de João Alberto Silveira Freitas.
    © AP Photo / Andre Penner
    A frase "Vidas pretas importam", vista de cima, cobre a Avenida Paulista perto do MASP (Museu de Arte de São Paulo), 23 de novembro, 2020. As palavras foram escritas pelos ativistas após a morte brutal de João Alberto Silveira Freitas.

    O Ministério Público ainda acrescentou o racismo como forma de qualificação por motivo torpe.

    "Um homicídio triplamente qualificado, além de torpeza ligada ao preconceito racial, nós temos o uso do meio cruel que seria asfixia, além da agressão brutal e desnecessária, junto ao final com o recurso que dificultou a defesa, exatamente por essa superioridade numérica, sempre há impossibilidade de resistência da vitima, que vai a óbito após cinco minutos de manejo cruel por parte de seus agressores", escreveu o promotor.

    O subprocurador para Assuntos Institucionais do MP-RS, Marcelo Dornelles, ainda informou que instaurou três inquéritos civis: danos coletivos, direitos humanos e patrimônio público.

    "Somatório que, unido, somou nessa tragédia. Despreparo dos agentes de segurança, desprezo e desprestígio daquelas pessoas. Por isso, essa discussão fundamental do racismo estrutural", afirmou Dornelles.

    O MP também pediu à Justiça que os denunciados respondam ao processo presos e solicitou a conversão da prisão temporária de Paulo, Kleiton e Rafael em prisão preventiva.

    Mais:

    Mourão diz que morte em supermercado não foi racismo, porque 'no Brasil não existe racismo'
    CEO global do Carrefour fala em racismo e pede revisão do treinamento de funcionários
    Após dia de protestos contra o racismo, Beto Freitas é sepultado em Porto Alegre
    Racismo: negros correspondem a 97% dos mortos em 2019 por policiais na Bahia
    Tags:
    Carrefour, assassino, assassinato, supermercados, racismo, agressão, agressividade, negros, jovens negros
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar