09:15 25 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 e Brasil em meados de dezembro (59)
    7615
    Nos siga no

    Governo deseja se isentar de responsabilidades por eventuais efeitos colaterais dos imunizantes contra a COVID-19.

    O relator da medida provisória (MP) para a aquisição de vacinas contra a COVID-19, deputado federal Geninho Zuliani (DEM-SP), disse que vai incluir em seu relatório que as pessoas que tomarem o imunizante terão de assinar um termo de consentimento. 

    "É uma grande preocupação do presidente, que também é nossa, quanto à responsabilidade civil do governo federal", disse Zuliani, no Palácio do Planalto, após reunião com o presidente Jair Bolsonaro, segundo a Folha.

    Segundo Zuliani, as pessoas que tomarem uma vacina contra a COVID-19 podem ter "algumas reações", e que o governo não pode "assumir este passivo ao longo das próximas décadas".

    "O termo jurídico é consentimento informado. Então a pessoa sabe que vai estar tomando uma vacina que foi feita a primeira, segunda e terceira fase, mas que não foi um estudo tão aprofundando como outras vacinas que nós conhecemos na história", disse Zuliani.

    A previsão é que a medida provisória seja votada nesta terça-feira (15) na Câmara dos Deputados, em Brasília.

    O governador de São Paulo, João Dória, esteve presente, nesta quinta-feira, 3, ao aeroporto de Guarulhos (SP), quando chegaram ao Brasil, 600 litros da vacina CoronaVac
    © Folhapress / Willian Moreira
    O governador de São Paulo, João Dória, esteve presente, nesta quinta-feira, 3, ao aeroporto de Guarulhos (SP), quando chegaram ao Brasil, 600 litros da vacina CoronaVac

    Nesta segunda-feira (14), Bolsonaro mostrou publicamente ser favorável à ideia. Em conversa com apoiadores na porta do Palácio da Alvorada, o presidente também disse que aqueles que tomarem vacinas deverão assinar um termo de responsabilidade, uma vez que "a Pfizer, por exemplo, é bem clara no contrato: 'nós não nos responsabilizamos por efeitos colaterais'".

    Os números da pandemia no Brasil seguem em alta. O país chegou nesta segunda-feira (14) a 6.929.409 casos de COVID-19 confirmados, além de 181.945 óbitos provocados pela doença.

    Tema:
    COVID-19 e Brasil em meados de dezembro (59)

    Mais:

    No dia do início da vacinação, EUA passam de 300 mil mortes por COVID-19
    Infectologista diz que é 'temerário' estabelecer datas da vacinação contra a COVID-19 no Brasil
    Qual é a probabilidade de ser reinternado após se recuperar da COVID-19?
    Você sabia? Cientistas revelam onde é mais fácil contrair COVID-19
    Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos dão início à vacinação contra a COVID-19
    Tags:
    Brasil, governo federal, novo coronavírus, COVID-19, vacina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar