23:17 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    4010
    Nos siga no

    Demitido na quarta-feira (9) do Ministério do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio agradeceu ao presidente Jair Bolsonaro por ter trabalhado na pasta e elogiou o governo: "melhor da história do Brasil". 

    Álvaro Antônio foi exonerado do cargo após ter criticado o chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, em um grupo de WhatsApp que reúne ministros do governo, segundo informações da revista Veja. Ele teria chamado o responsável pela articulação política do Planalto de "traíra". 

    Investigado pela Polícia Federal por suspeita de comandar esquema de candidaturas laranjas do PSL, Álvaro Antônio, até o episódio envolvendo Ramos, contava com simpatia de Bolsonaro, tanto que as acusações de corrupção não levaram a sua queda. 

    'Amigo e irmão'

    Em uma série de mensagens no Twitter publicada nesta quinta-feira (10), Marcelo Álvaro Antônio agradeceu ao presidente "pela oportunidade de integrar o melhor governo da história do Brasil".

    Além disso, ele destacou pontos que considerava positivos de sua gestão à frente do ministério, como a isenção de vistos para quatro países (medida que não foi recíproca), e a instalação do escritório da Organização Mundial do Turismo no Brasil.

    Álvaro Antônio não mencionou os motivos de sua demissão, agradeceu ao "amigo e irmão" Bolsonaro e disse que seguirá "trabalhando com ética, respeito e lealdade ao presidente e ao meu amado Brasil". 

    ​Nesta quinta-feira (10), Bolsonaro oficializou o nome do até então presidente da Embratur, Gilson Machado, no cargo de ministro do Turismo. 

    Marcelo Álvaro Antônio, deputado eleito por Minas Gerais, deverá reassumir o seu mandato. 

    Segundo matéria do portal G1, ele admitiu a um grupo de colegas da pasta que teria se excedido nas acusações contra Ramos e por isso foi demitido. 

    Mais:

    Eduardo Bolsonaro afirma que Gilson Machado será novo ministro do Turismo
    Laranjal do PSL: assessor do ministro do Turismo é detido em operação da PF
    'Laranjal': eleições têm ao menos 5 mil candidatas de fachada, aponta estudo
    Tags:
    PSL, Brasil, governo, Ministério do Turismo, turismo, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar