14:59 17 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    226
    Nos siga no

    Desmatamento da região amazônica brasileira apresentou redução acumulada de 19%, enquanto o número de focos de calor também caiu, em comparação entre os meses de novembro de 2019 e novembro de 2020.

    Se baseando em dados obtidos por órgãos governamentais e agências de proteção ambiental, o Ministério da Defesa do Brasil afirmou que os avisos de desmatamento na Amazônia Legal, área a qual engloba os estados brasileiros do Amazonas, Roraima, Rondônia, Pará, Amapá, Acre, Tocantins, Mato Grosso e uma porção do território do Maranhão, caiu em 45% em novembro passado.

    Desta forma, novembro é o terceiro mês de queda do desmatamento se "comparado ao mesmo período do ano passado". Além disso, o ministério também comunicou em publicação que "de agosto a novembro, a redução acumulada foi de 19%", citando dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

    Ainda citando o Inpe, a Defesa afirma que "no bioma Amazônia, a queda dos focos [de calor] foi de 44%", o que aponta um valor consideravelmente baixo se comparado com a média histórica para o mês.

    De forma semelhante, no pantanal mato-grossense, a queda do desmatamento foi de 40% no mesmo mês, e no cerrado a redução foi de 9%.

    Os dados são frutos da contribuição de especialistas de pelo menos 11 órgãos governamentais presentes no Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Cenispam), órgão do Ministério da Defesa.

    Além disso, o Centro também utiliza informações disponíveis em bancos de dados de agências de proteção ambiental e órgãos policiais.

    Mais:

    Pinturas rupestres são encontradas no coração da floresta amazônica (FOTOS)
    Bolsonaro promove desinformação e 'quer botar fogo' na Amazônia, afirmam especialistas
    'Ajuda externa para o meio ambiente só virá se Brasil mudar discurso e ministro', diz especialista
    Tags:
    Ministério da Defesa, Brasil, meio ambiente, floresta, desmatamento, Amazônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar