18:48 05 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil no início de dezembro (59)
    131
    Nos siga no

    CoronaVac está na terceira fase de testes quando a eficácia tem que ser comprovada. Prioridade será para profissionais da saúde, indígenas e quilombolas.

    O governo de São Paulo anunciou nesta segunda-feira (7) que a vacinação da CoronaVac contra o coronavírus começará a partir do dia 25 de janeiro de 2021 em profissionais de saúde, indígenas e quilombolas de todo o estado, informou o site G1.

    Mas a imunização vai depender da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ela precisa comprovar a eficácia e liberar o uso.

    Idosos com mais de 75 anos serão o segundo grupo a receber a primeira dose da vacina a partir de 8 de fevereiro. No total, serão nove semanas imunizando cidadãos a partir dos 60 anos.

    Produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo, a vacina ainda está na terceira fase de teste, a caminho de possível comprovação de eficácia e liberação pela Anvisa.

    Para a CoronaVac ser liberada, o Butantan precisa enviar um relatório ao órgão. De acordo com o Butantan, a previsão é de que as informações sejam mandadas até o fim desta semana para que a Anvisa decida se a CoronaVac cumpre ou não todos os requisitos para aplicação em janeiro.

    Indonésia e Turquia também vão usar a CoronaVac, mas já em dezembro.

    Durante a coletiva, o governo também confirmou que o envase da matéria-prima recebida na última quinta-feira (3) começou a ser feito nesta segunda-feira (7).

    Na semana passada, o governo estadual afirmou que não deve ser necessário solicitar o uso emergencial da vacina.

    Segundo o governador João Doria, a vacinação em São Paulo será realizada mesmo sem investimento do governo federal.

    Governador do estado de São Paulo, João Doria, durante coletiva de imprensa sobre a vacina chinesa CoronaVac, Brasília, 21 de outubro de 2020
    © AP Photo / Eraldo Peres
    Governador do estado de São Paulo, João Doria, durante coletiva de imprensa sobre a vacina chinesa CoronaVac, Brasília, 21 de outubro de 2020

    São Paulo já recebeu 120 mil doses prontas da vacina, além da carga de insumos que pode gerar até um milhão de doses. Os insumos são os "ingredientes" necessários para a finalização da vacina no país.

    Caberá ao Butantan concluir a etapa final de fabricação. Ao todo, pelo acordo fechado, ele receberá do laboratório chinês seis milhões de doses prontas para o uso e vai formular e envasar outras 40 milhões.

    Fases de testes

    No final de novembro, o estudo da fase três da CoronaVac atingiu o número mínimo de infectados pela COVID-19 necessário para o início da fase final de testes. Ele foi feito com 743 pacientes e apontou que o imunizante mostrou segurança e resposta satisfatória durante as fases um e dois das provas.

    A fase dois de uma vacina verifica a segurança e a capacidade de gerar uma resposta do sistema de defesa. Normalmente, ela é feita com centenas de voluntários. Já a fase um é realizada em dezenas de pessoas, e a três, em milhares. É na fase três, a atual, que a eficácia da vacina é medida.

    Tema:
    Coronavírus no Brasil no início de dezembro (59)

    Mais:

    Doria diz que 46 milhões de doses da CoronaVac chegarão em São Paulo em 40 dias
    Chega a São Paulo lote de insumos para fabricação da vacina CoronaVac (FOTOS)
    COVID-19: anúncio do início da produção da CoronaVac em SP causa comoção no Twitter
    Tags:
    São Paulo, Instituto Butantan, João Doria, novo coronavírus, Vacina CoronaVac, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar