11:50 13 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    5393
    Nos siga no

    Em meio às investigações, o Ministério Público (MP) acredita ter chegado ao suspeito de clonar o veículo usado na emboscada à vereadora. Segundo o MP, ele é defendido pelo mesmo advogado de Ronnie Lessa, acusado de cometer o crime.

    A polícia e o Ministério Público descobriram uma importante pista que pode ajudar na investigação do assassinato da ex-vereadora Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes.

    A nova descoberta pode levar os investigadores ao responsável pela clonagem do carro usado na emboscada às vítimas. O MP descobriu que Eduardo Almeida Nunes de Siqueira, morador da Muzema, favela dominada pela milícia, clonou um veículo do mesmo modelo daquele que foi usado no crime.

    Vigília por Marielle Franco, vereadora do PSOL assassinada a tiros no Rio de Janeiro, reúne milhares de pessoas no centro da cidade.
    © Sputnik / Victor Labaki
    Vigília por Marielle Franco, vereadora do PSOL assassinada a tiros no Rio de Janeiro, reúne milhares de pessoas no centro da cidade.
    Coincidência ou não, escreve o jornal O Globo, o advogado Bruno Castro, que defende Siqueira, é o mesmo que atua para o sargento reformado da Polícia Militar Ronnie Lessa, acusado de executar Marielle e Anderson.

    Eduardo Siqueira admitiu que já clonou vários veículos, inclusive um Cobalt prata, ano 2014, semelhante ao veíuclo usado pelos assassinos. O Cobalt teria sido trocado por um Fiat Palio, numa negociação com um miliciano conhecido como Pepa.

    Ao ser perguntado pelos investigadores, em 2018, se o carro foi usado na morte de Marielle e Anderson, Siqueira respondeu "não saber informar". Contudo, ao ser confrontado com as imagens do Cobalt usado no crime, Siqueira disse que "viu grande semelhança com o veículo que esteve em suas mãos" e que, posteriormente, passou para uma pessoa de nome Rafael.

    Outras pistas

    Além da nova pista, a polícia segue outras linhas de investigação. Uma delas é que a ordem para matar Marielle partiu do ex-bombeiro, ex-vereador e miliciano Cristiano Girão.

    O objetivo seria se vingar do deputado federal Marcelo Freixo (PSOL). Girão era um dos nomes da lista da CPI das Milícias, em 2008, presidida pelo parlamentar na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

    O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), a viúva da vereadora assassinada Marielle Franco, Mônica Benício, e a filha da parlamentar, Luyara Santos
    O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), a viúva da vereadora assassinada Marielle Franco, Mônica Benício, e a filha da parlamentar, Luyara Santos
    A polícia também aguarda o julgamento de três recursos no Supremo Tribunal de Justiça (STF). Em um deles, o Google recorreu da decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que determinou o fornecimento de informações envolvendo o crime às autoridades.

    Um dos pedidos diz respeito à entrega da lista de pessoas que pesquisaram na ferramenta de buscas o nome "Marielle Franco", entre 10 e 14 de março de 2018. O MPRJ também quer que a empresa informe o trajeto do carro usado pelos assassinos em diferentes dias.

    Mais:

    Bombeiro é preso no Rio por suspeita de ligação com morte de Marielle Franco
    Instituto Marielle Franco lança plataforma antirracista com foco nas eleições
    Justiça decide que Google deve enviar dados para investigação do assassinato de Marielle Franco
    Tags:
    polícia, Ministério Público, investigadores, pista, assassinato, Marielle Franco
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar