13:35 08 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2102
    Nos siga no

    Agentes da Polícia Federal levantam a possibilidade de o parlamentar ajudar a financiar páginas que atacam instituições democráticas do Brasil.

    O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), é citado 43 vezes no inquérito dos atos antidemocráticos.

    De acordo com reportagem publicada nesta sexta-feira (4) pelo Estadão, agentes da Polícia Federal levantam a possibilidade de o parlamentar estar envolvido nos ataques às instituições e ao regime democrático no Brasil. Carlos estaria "ajudando" e "cooperando" com canais na Internet suspeitos de promoveram estes ataques.

    A reportagem do Estadão cita ainda alguns casos investigados no inquérito. Como o de Anderson Rossi, dono do Foco do Brasil, um canal no Youtube de cunho bolsonarista. Rossi negou ter recebido ajuda de Carlos Bolsonaro para a estruturação do canal. No entanto, afirmou que recebe de Tércio Arnaud Tomaz, amigo de Carlos, imagens exclusivas do presidente da República, a que os órgãos de imprensa não têm acesso. Tércio é integrante do "gabinete do ódio", grupo de assessores bolsonaristas que usa as redes sociais para promover o presidente e atacar adversários.

    A PF apura também se assessores do gabinete de Carlos Bolsonaro na Câmara de Vereadores do Rio atuavam no impulsionamento de páginas pró-Jair Bolsonaro nas redes sociais. Dois assessores, Tércio e José Matheus Sales Gomes, disseram que ajudaram nas páginas do atual presidente da República, mas de forma "voluntária", sem receber pelo trabalho.

    O vereador Carlos Bolsonaro (direita) com o seu irmão Flávio, senador, em cerimônia de confirmação da vitória do seu pai, Jair Bolsonaro, nas eleições de 2018
    © AP Photo / Eraldo Peres
    O vereador Carlos Bolsonaro (direita) com o seu irmão Flávio, senador, em cerimônia de confirmação da vitória do seu pai, Jair Bolsonaro, nas eleições de 2018

    O inquérito dos atos antidemocráticos investiga a organização e o financiamento de ataques às instituições democráticas do país realizadas pelas redes sociais.

    No dia 27 de novembro, o ex-ministro da Justiça Sergio Moro afirmou que ouviu de ministros do governo federal que Carlos é ligado ao chamado "gabinete do ódio".

    Em 17 de novembro, a PF fez buscas na casa do blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio, que já havia sido alvo de prisão temporária, no mesmo inquérito.

    Mais:

    Carlos Bolsonaro vira piada após anunciar panelaço contra seu pai durante discurso para ONU
    Frota acusa Carlos e Eduardo Bolsonaro de envolvimento em esquema de fake news
    Filho do presidente, Carlos Bolsonaro teve 34% menos votos do que na última eleição
    Tags:
    Brasil, democracia, Polícia, Jair Bolsonaro, Carlos Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar