01:13 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil no início de dezembro (59)
    315
    Nos siga no

    Imunizante é desenvolvido pela universidade inglesa em parceria com o laboratório AstraZeneca. Texto já tinha passado na Câmara dos Deputados e segue para promulgação.

    A medida provisória que destinou R$ 1,99 bilhão ao Ministério da Saúde para viabilização, produção e disponibilização da chamada vacina de Oxford contra a COVID-19 foi aprovada nesta quinta-feira (3) pelo Senado, informou o site G1. Ela é desenvolvida pelo laboratório anglo-sueco AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, no Reino Unido. 

    A medida provisória foi assinada pelo presidente Jair Bolsonaro em agosto e precisava ser aprovada pelo Congresso até esta quinta-feira (3) para não perder a validade. O texto já tinha passado pela Câmara dos Deputados e agora segue para promulgação. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que assinaria a promulgação ainda na quinta-feira (3).

    Por se tratar de medida provisória, o dinheiro foi disponibilizado quando da publicação no Diário Oficial da União.

    Embora a verba já estivesse à disposição, nem todo o montante tinha sido utilizado. Segundo a relatora da medida provisória na Câmara, Mariana Carvalho (PSDB-RO), cerca de R$ 400 milhões ainda precisam ser destinados.

    Como o texto foi aprovado com a mesma redação enviada pelo Executivo, ele segue diretamente para a promulgação, sem necessidade de sanção pelo presidente.

    A parceria com a AstraZeneca prevê a transferência de tecnologia para que a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, possa produzir a vacina. De acordo com o Ministério da Saúde à época da edição da medida, o valor seria investido em pagamentos para a AstraZeneca (R$ 1,3 bilhão), para a produção da vacina (R$ 522,1 milhões) e para a absorção da tecnologia pela Fundação Oswaldo Cruz, a Fiocruz (R$ 95,6 milhões).

    "Para disponibilização de 100 milhões de doses do insumo farmacêutico para produção da vacina, estão previstas despesas correntes, referentes a pagamentos à AstraZeneca, a serem estabelecidos no contrato de encomenda tecnológica, necessárias ao processamento final da vacina por Bio-Manguinhos, unidade da Fiocruz, e investimentos para absorção da tecnologia de produção", diz a mensagem encaminhada pelo Executivo ao Congresso.

    Durante a tramitação no Congresso, foram rejeitadas emendas - as propostas de alteração no texto - que permitiriam o direcionamento de recursos para o Instituto Butantan, em São Paulo, responsável pela fabricação da vacina Coronavac em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

    A Coronavac é alvo de briga política entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria.

    No início de novembro, quando a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu os testes do imunizante, Bolsonaro chegou a comemorar em uma rede social.

    "Mais uma que Jair Bolsonaro ganha", escreveu na ocasião. "Esta é a vacina que o Doria queria obrigar todos os paulistanos a tomar", concluiu.
    Tema:
    Coronavírus no Brasil no início de dezembro (59)

    Mais:

    Ceticismo cresce sobre a eficácia da vacina contra COVID-19 da AstraZeneca
    Hackers norte-coreanos tentaram supostamente atacar a AstraZeneca, diz agência
    Sputnik V sugere que AstraZeneca use vetor adenoviral humano para aumentar eficácia
    Tags:
    Fiocruz, Anvisa, Davi Alcolumbre, Jair Bolsonaro, João Doria, Diário Oficial da União, COVID-19, Vacina CoronaVac, Universidade de Oxford, Instituto Butantan, Câmara dos Deputados, Senado
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar