09:34 22 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    383
    Nos siga no

    Em depoimento à polícia, ele justificou as postagens dizendo que o objetivo era que outras pessoas publicassem comentários similares. E negou que a tenha ameaçado de morte.

    É negro o autor das ofensas racistas contra a prefeita eleita de Bauru, Suéllen Rosim (partido Patriota). Segundo a Polícia Civil, ele tem 37 anos, foi interrogado nesta quinta-feira (3), mas liberado por falta de fundamentação para uma eventual prisão. Seu nome não foi revelado, informou o jornal Folha de São Paulo.

    Ele disse no interrogatório, segundo o delegado Eduardo Herrera, que o objetivo era fazer com que as pessoas de um grupo de uma rede social publicassem comentários similares para mostrar que elas são racistas.

    O acusado usou um perfil falso para escrever em uma rede social logo após a vitória de Suéllen no segundo turno no último domingo (29). Segundo ele, a cidade "não merecia ter essa prefeita de cor com cara de favelada comandando a nossa cidade". E que "a senzala estará no poder nos próximos quatro anos".

    ​Primeira mulher eleita em Bauru, negra, frequentadora da igreja evangélica neopentecostal Mipe (Ministério Produtores de Esperança) e conservadora, Suéllen tem 32 anos e é alvo de ataques desde antes da eleição.

    No sábado (28), recebeu via mensagem de celular comentários racistas. Já no domingo (29), quando foi eleita, a mensagem foi publicada em outra rede.

    No dia seguinte, ela recebeu email com mais frases racistas e uma ameaça de morte.

    "Eu juro, mas eu juro que vou comprar uma pistola nove milímetros no Morro do Engenho, aqui no Rio de Janeiro, e uma passagem só de ida para Bauru e vou te matar. Eu já tenho todos os seus dados e vou aparecer aí na sua casa", dizia um trecho do texto.

    No mesmo dia, Suéllen viu uma nova manifestação racista que dizia que "países governados por negros são mais miseráveis".

    O autor da postagem racista negou ter elo com a ameaça de morte recebida pela prefeita.

    "A identificação do autor, para nós, é importante, é a espinha dorsal de tudo. A partir dele houve outras ações, os chamados efeitos colaterais. Acreditamos que, se não tivesse existido essa mensagem, outras depois não apareceriam", disse o delegado.

    Herrera disse ainda que não se pode ligar o autor da mensagem ofensiva à ameaça de morte.

    "Acreditamos que não seja ele", informou.

    Suéllen comentou o episódio. Disse que a identificação dos autores e a responsabilização pelo crime deve ocorrer, não importa o prazo.

    "A mensagem é pesada, é uma tentativa de desestruturar mesmo, mas não vão conseguir. O tempo não importa, o que importa é identificar o autor, até para que isso não aconteça com outras pessoas", falou a prefeita eleita.

    Suéllen ganhou a eleição com 89.725 votos, 55,98% dos votos válidos contra 44,02% do adversário no segundo turno, o médico e ex-vereador Raul Gonçalves Paula (DEM).

    Mais:

    COVID-19 escancara racismo no Brasil e candidaturas negras são esperança, diz pesquisador
    Após dia de protestos contra o racismo, Beto Freitas é sepultado em Porto Alegre
    Mourão diz que morte em supermercado não foi racismo, porque 'no Brasil não existe racismo'
    Tags:
    Bauru, racismo, Patriotas, Polícia Civil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar