07:32 20 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    Coronavírus no Brasil no início de dezembro (59)
    3201
    Nos siga no

    O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse nesta terça-feira (3) acreditar que a chinesa CoronaVac encontra-se "muito próxima de ser registrada", podendo estar pronta para vacinação em janeiro.

    Produzido pelo laboratório Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo, o imunizante está na fase três de testes. No entanto, ao anunciar o calendário do plano nacional de imunização contra o coronavírus, na terça-feira (1º), o Ministério da Saúde não citou a CoronaVac entre as candidatas ao uso no país. 

    "Poderemos iniciar um programa em janeiro, acredito, de vacinação. E espero [que] com o apoio do ministério, apesar de todas essas declarações que não citam nominalmente a vacina do Butantan", disse o diretor do instituto, segundo o portal G1. 

    Para o médico sanitarista Gonzalo Vecina Neto, ex-diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a vacina, realmente, "tem tudo para estar pronta". 

    "Todas essas vacinas que estavam sendo testadas em território brasileiro têm tudo para estarem prontas no final de dezembro e início de janeiro, não há dúvida disso", disse à Sputnik Brasil o professor da Faculdade de Saúde Pública da USP. 
    Vacinação contra COVID-19 no bairro de Perus, zona norte de São Paulo em outubro de 2020
    O Ministério da Saúde anunciou plano nacional de vacinação contra a COVID-19: imunização será dividida em quatro fases e começaria em março. A pasta não citou a CoronaVac como possível candidata

    Importantes fábricas de vacina no Brasil

    De acordo com o governo federal, existem quatro estudos clínicos de vacinas no Brasil: além da CoronaVac, da Universidade de Oxford, em parceria com a farmacêutica britânica AstraZeneca; da Jansen-Cilag, divisão da farmacêutica americana Johnson&Johnson; e da americana Pfizer, em parceria com o laboratório alemão BioNTech. 

    Além disso, os governos do Paraná e da Bahia assinaram acordo para a realização de testes com a vacina russa Sputnik V.

    Para o ex-ministro da Saúde José Gomes Temporão, o Brasil tem forte tradição em políticas de vacinação, com um dos melhores programas de imunização do mundo, com bons exemplos no combate à H1N1, à poliomielite e à varíola, por exemplo. 

    "O Brasil usa 300 milhões de doses por ano no nosso programa de vacinação, temos duas das mais importantes fábricas de produção de vacina em termos globais, o Butantan e a Fiocruz", afirmou à Sputnik Brasil o médico sanitarista. 

    'Absoluta falta de coordenação'

    No entanto, ele julga que a falta de coordenação, estratégia e a excessiva militarização do ministério, com "perda no foco da saúde pública", podem contribuir para o atraso do calendário de vacinação no país. 

    "O que estou percebendo é a absoluta falta de condução e coordenação da pasta em relação a todo esse processo, que está sendo mal dirigido e planejado desde o início. Como nós temos quatro vacinas sendo testadas no Brasil, há muitos meses nós deveríamos estar trabalhando [em] uma integração, [em] uma articulação dessas vacinas, no sentido de compor um portfólio de vacinas candidatas, que tão logo recebessem o registro da Anvisa, pudessem ser colocadas à disposição da população brasileira", disse Temporão, que esteve à frente da pasta de Saúde de 2007 a 2011.

    São Paulo pode iniciar vacinação antes do país

    Apesar de o diretor do Instituto Butantan acreditar que a CoronaVac estará pronta em janeiro, ao anunciar o calendário com as quatro fases de imunização contra a COVID-19, o Ministério da Saúde disse que o processo de vacinação só deve começar em março. 

    Para Temporão, será possível um cenário em que São Paulo inicie a vacinação antes do restante do país. 

    "Podemos correr o risco de São Paulo decidir imunizar sua população com a vacina do Butantan, com o governo federal desconsiderando o restante do contexto nacional, o que seria um disparate total. É um risco que se corre diante da falta de pulso, coordenação e legitimidade do ministro Eduardo Pazuello, que é totalmente estranho à saúde pública", afirmou Temporão. 

    O ex-ministro da Saúde dos governos Lula e Dilma, Jose dos Gomes Temporão: ele critica a atual militarização da pasta
    © Folhapress / Rafael Andrade
    O ex-ministro da Saúde dos governos Lula e Dilma, José Gomes Temporão: ele critica a atual militarização da pasta

    Registro emergencial

    O diretor do Butantan, Dimas Covas, também disse que a CoronaVac pode, inclusive, obter o registro sanitário completo, e não apenas o emergencial, até janeiro. 

    Na quarta-feira (2), a Anvisa disse que vai aceitar empresas desenvolvedoras de vacinas contra a COVID-19 solicitarem o uso emergencial no Brasil. Neste caso, a aplicação do imunizante é permitida, mas a vacina não pode ser vendida para a iniciativa privada. 

    O médico Gonzalo Vecina Neto acha que, devido à quantidade necessária de testes para formalizar o registro padrão, até janeiro só seria possível obter o registro emergencial. Isso, no entanto, não impediria a realização de um plano de vacinação. 

    Resistência à vacina chinesa

    Sobre o fato do ministério não ter mencionado a vacina chinesa ao anunciar o calendário - o presidente Jair Bolsonaro vem criticando a CoronaVac e chegou a dizer que não compraria o imunizante - o especialista afirma que existem formas de pressionar o governo para usá-lo. 

    "Se, por acaso, a Anvisa atrasar a concessão de um registro, emergencial ou não, se com a documentação apresentada resolver procrastinar a emissão do registro, a lei será acionada e a agência terá que cumprir com sua obrigação", disse o ex-diretor e um dos fundadores da Anvisa. 

    Já o ex-ministro José Gomes Temporão afirma que o presidente diz "sandices o tempo todo", um "motivo de vergonha para o Brasil", mas que elas devem ser "ignoradas".

    "Se a vacina obtiver registro da Anvisa, tem total condição de ser colocada à disposição dos cidadãos. Temos longa experiência em campanhas de vacinação em massa", disse o médico.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Coronavírus no Brasil no início de dezembro (59)

    Mais:

    Chega a São Paulo lote de insumos para fabricação da vacina CoronaVac (FOTOS)
    Anvisa diz que recebeu documentos dos testes das fases 1 e 2 da vacina da Pfizer contra COVID-19
    Plano de imunização só ficará pronto quando Anvisa registrar vacina, diz Ministério da Saúde
    Tags:
    Ministério da Saúde, Anvisa, Jair Bolsonaro, China, São Paulo, Instituto Butantan, vacina, COVID-19, novo coronavírus, pandemia, Vacina CoronaVac
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar