02:52 09 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    Coronavírus no Brasil no início de dezembro (59)
    160
    Nos siga no

    A Anvisa está realizando até dia 11 de dezembro uma missão que vai avaliar as condições dos laboratórios da Sinovac e da Wuxi Biologics, ambos na China.

    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) quer saber se as empresas cumprem os requisitos necessários para o registro de imunizantes, caso as pesquisas em desenvolvimento indiquem a eficácia e os responsáveis queiram comercializar o produto no Brasil.

    A Sinovac Life Sciences Co. é a fabricante dos insumos utilizados pelo Instituto Butantan na produção da vacina CoronaVac, enquanto a Wuxi Biologics Co. produz os utilizados pela Fiocruz Bio-Manguinhos para aquela em parceria com a AstraZeneca.

    No mês de outubro, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou a aquisição de 46 milhões de doses do produto da Sinovac, porém, logo em seguida, o presidente Jair Bolsonaro disse que o governo federal não compraria a "vacina chinesa", segundo publicou a Agência Brasil.

    Médico do Hospital Universitário de Brasília mostra a vacina chinesa da Sinovac, voltada ao novo coronavírus
    © AP Photo / Eraldo Peres
    Médico do Hospital Universitário de Brasília mostra a vacina chinesa da Sinovac, voltada ao novo coronavírus

    Disputa política entra no jogo

    Abriu-se então uma querela política com o governador do estado de São Paulo, João Doria, que já se posicionou pela CoronaVac, na parceira com o paulista Instituto Butantan, enquanto Bolsonaro teria preferência pela vacina da AstraZeneca, por seu custo menor e pela fácil produção e estocagem em relação às concorrentes.

    Em entrevista à Sputnik nesta terça-feira (1º), o médico, ex-ministro da Saúde a atual deputado federal Alexandre Padilha, disse que disputas políticas não devem acontecer no momento: "A última coisa que o Brasil precisa é uma guerra interna sobre vacinas, movida por interesses eleitorais ou relacionada à xenofobia", comentou o deputado.

    Deputado federal Alexandre Padilha, do PT de São Paulo
    ©Zanone Fraissat/Folhapress
    Deputado federal Alexandre Padilha, do PT de São Paulo

    A questão central, na visão de Padilha, é que o Brasil deve deter a soberania tecnológica, em parceria com outros países, de várias técnicas e tipos de vacina, para garantir uma "imunização robusta" em todo o país. "Isso é importante inclusive para absorver tecnologia que seria usada em outros desafios de saúde pública nacionais", afirmou o parlamentar.

    "O Congresso tem acompanhado passo a passo as medidas da Anvisa, acionamos o Tribunal de Contas da União para que ele acompanhe as ações da agência, e não admitiremos qualquer postura da Anvisa que não seja amparada em questões técnicas", disse Padilha.

    Afinal, qual o melhor caminho a seguir?

    Um episódio na queda de braço entre governo federal e o estado de São Paulo, aconteceu no mês de novembro, quando a Anvisa interrompeu os testes com a CoronaVac, alegando a existência de um evento adverso, no caso a morte de um voluntário no estudo.

    Contudo, o Instituto Butantan afirmou que o óbito não teve relação com a vacina, o que gerou reações de políticos e pesquisadores sobre a atuação da Anvisa. Depois do imbróglio e esclarecimento do fato, os testes foram retomados com a autorização da Anvisa.

    ​Já a Wuxi Biologics produz insumos para a vacina de Oxford, que também está em fase de testes e é desenvolvida por um consórcio formado pela instituição de ensino britânica e pelo laboratório AstraZeneca. O governo federal, mesmo antes da conclusão das pesquisas e comprovação da eficácia, firmou acordo com o grupo responsável para adquirir insumos para a fabricação das doses no país, tarefa que ficará a cargo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

    A Fiocruz informou recentemente que submeterá à Anvisa documentos para a avaliação dos testes realizados pela AstraZeneca e pela equipe de pesquisadores da Universidade de Oxford, envolvida no desenvolvimento da vacina. A expectativa da Fiocruz é começar a produzir as doses em janeiro do ano que vem.

    No dia 22 de novembro, o Ministério da Saúde informou que está em negociações com cinco laboratórios fabricantes de imunizantes contra a COVID-19. Esse passo é importante segundo Padilha, pois o Brasil precisa participar de todos os projetos de desenvolvimento de vacinas, seja dos dois liderados pelas instituições brasileiras [Butantan e Fiocruz], ou de qualquer outro, citando inclusive a Sputnik V, da Rússia.

    "Devemos fazer pressão sobre o governo federal. O Congresso Nacional, os órgãos de controle do Estado brasileiro como o Tribunal de Contas da União, a imprensa, a sociedade, para que a Anvisa, em nenhum momento tenha uma atitude discriminatória, xenófoba, em relação à vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan [em parceria com a Sinovac], mas também contra qualquer outra vacina de qualquer outro país", finalizou Padilha.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Coronavírus no Brasil no início de dezembro (59)

    Mais:

    Plano de vacinação para a COVID-19 no Brasil? Para especialista, ainda é cedo demais
    Documentos sugerem que China escondeu casos de COVID-19 em 2019, diz mídia
    Brasil, Indonésia e Turquia receberão vacina ao mesmo tempo que China, diz executivo da SinoVac
    Em São Paulo, João Dória anuncia recuo e coloca o estado na fase amarela do plano de flexibilização
    'Aversão à China' de Bolsonaro arrisca a vida de milhões de brasileiros, diz especialista
    Tags:
    João Doria, Jair Bolsonaro, relações exterirores, imunização, governo, vacina, novo coronavírus, COVID-19, China, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar