18:41 16 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    336
    Nos siga no

    Segundo o vice-presidente, a subida de 9,5% no desmatamento da Amazônia em relação ao ano passado está dentro da "expectativa" do governo federal, que era de 20%.

    O vice-presidente Hamilton Mourão comentou nesta terça-feira (1º) o aumento do desmatamento na Amazônia divulgado nesta segunda (30), que apontou para uma escalada de 9,5% em relação a 2019. 

    "Vamos dizer o seguinte: foi menos pior. Essa é a realidade. Podia ser pior ainda [...]. A expectativa que nós tínhamos, inclusive já tinha até sido publicada, é que ia dar 20% acima do ano passado, então, deu 9,5%", disse o vice-presidente a jornalistas ao chegar ao Palácio do Planalto, conforme noticia o G1.

    A devastação da floresta entre agosto do ano passado e julho deste ano atingiu 11.088 km² – uma área que corresponde a sete vezes a da cidade de São Paulo. Nos 12 meses anteriores, a área devastada foi de 10.129 km². Mourão, no entanto, minimiza os números.

    "Qual é o estado final desejado? É que só haja o desmatamento dentro da legislação, aquele que são os 20% de cada propriedade, que não ocorra nada em unidade de conservação, que não ocorra nada em terra indígena e que não ocorra nada em terra pública", afirmou.
    Queimada na Amazônia perto da BR-163 no Pará
    © AP Photo / Leo Correa
    Queimada na Amazônia perto da BR-163 no Pará

    Apesar do desmatamento estar dentro da "expectativa", conforme dito por Mourão, o Observatório do Clima destaca um número alarmante. Segundo a entidade, levando-se em conta a média dos dez anos anteriores à posse de Jair Bolsonaro, o desmatamento cresceu 70%: de 2009 a 2018, a média apurada pelo INPE foi de 6.500 km² por ano. 

    As altas seguidas também colocam em xeque outra meta brasileira. Assumida junto ao Acordo de Paris, em 2015, o Brasil fez a promessa de zerar o desmatamento ilegal até 2030.

    Mais:

    Mourão diz que morte em supermercado não foi racismo, porque 'no Brasil não existe racismo'
    Atitude de Mourão com a China não basta e retaliação 'teria impacto muito grande', diz analista
    Mourão diz que embaixada da China não deveria ter usado redes sociais para rebater Eduardo Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar