08:51 20 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 94
    Nos siga no

    A Justiça Eleitoral do Distrito Federal ordenou a quebra de sigilos de e-mails de três brasileiros suspeitos de serem responsáveis pelo suposto ataque hacker ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    No sábado (28), uma operação da Polícia Federal (PF) e da polícia portuguesa prendeu em Portugal um hacker, cidadão português de 19 anos, também suspeito de ter participado do ataque.

    O pedido de quebra de sigilos dos três brasileiros atende a uma solicitação da PF e se estende de janeiro até dezembro. A corporação busca, a partir das investigações, estabelecer a relação dos brasileiros com o português. As informações foram publicadas pelo portal G1.

    Prédio do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em Brasília.
    © Folhapress / Lalo de Almeida
    Prédio do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em Brasília.

    Postagens na Internet mostram que o cidadão português teria trocado mensagens com os brasileiros. O português teria enviado um link do TSE para os brasileiros em um chat. Após uma análise nos dados, os brasileiros teriam identificado uma área a ser atacada.

    Os policiais conseguiram identificar sete conexões no dia 15 de novembro, data do primeiro turno das eleições municipais, e dez conexões no dia 19. Os investigadores apontam que isso mostra que os supostos ataques foram realizados por um grupo de hackers.

    Mais:

    Após problema com hackers, servidores do STJ retomam trabalho com novas diretrizes de segurança
    Proteção contra hackers no STJ e governo exige treinamento e auditoria, afirma engenheiro
    PF diz que hackers acessaram dados deste ano de servidores do TSE
    Guerra cibernética: OTAN faz treinamento com países-membros para enganar hackers russos
    Hackers norte-coreanos tentaram supostamente atacar a AstraZeneca, diz agência
    Tags:
    quebra de sigilo, Polícia Federal - PF, ataque hacker, hacker, Tribunal Superior Eleitoral, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar