23:24 08 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2313
    Nos siga no

    Polícia Federal (PF) do Brasil e a polícia de Portugal prenderam na manhã deste sábado (28) o hacker suspeito de invadir os sistemas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    De acordo com informações da CNN Brasil, o hacker suspeito de invadir sistemas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) foi preso neste sábado (28) em Portugal, após uma operação conjunta entre a Polícia Federal (PF) e a polícia portuguesa.

    De acordo com a PF, foram cumpridos mandatos em São Paulo e em Minas Gerais. Em Portugal, um mandato de prisão e outro de busca e apreensão foram expedidos pela Justiça portuguesa.

    ​Segundo informou a PF, os mandatos cumpridos no Brasil foram autorizados por juiz da 1ª Zona Eleitoral do Distrito Federal, após representação da PF e manifestação favorável da 1ª Promotoria de Justiça Eleitoral.

    Relembre o caso

    No último dia 15, data em que aconteceu o primeiro turno das eleições municipais no Brasil, um ataque hacker expôs informações administrativas de ex-servidores e ex-ministros do TSE. O objetivo da divulgação na data da eleição seria desacreditar a segurança do sistema de computadores da Justiça Eleitoral.

    A apuração inicial era de que os dados obtidos pelo hacker se referiam ao período de 2001 a 2010. Mas depois se constatou acesso a dados de 2020, como endereços e telefones, no Portal do Servidor, um sistema administrativo sem relação com o processo eleitoral.

    Print supostamente feito pelo hacker Zambrius em banco de dados do TSE
    © Foto / Reprodução
    Print supostamente feito pelo hacker Zambrius em banco de dados do TSE

    Mais:

    Qual é a situação das ações que pedem a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão no TSE?
    Presidente do TSE acredita que há 'esforço para desacreditar o processo eleitoral'
    Macapá terá eleições em 6 e 20 de dezembro, confirma TSE
    Tags:
    Polícia Federal, Brasil, Portugal, prisão, hacker, TSE
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar