23:52 15 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    480
    Nos siga no

    O Banco Central informou nesta quarta-feira (25) que investidores estrangeiros trouxeram US$ 5,471 bilhões (R$ 29,18 bilhões) para aplicações financeiras no Brasil em outubro.

    O valor engloba ações, fundos de investimentos e títulos de renda fixa.

    Para Álvaro Bandeira, economista-chefe do Banco de Investimentos ModalMais, o que houve foi uma "reposição de recursos".

    "Eu não diria uma atração para investir no Brasil e sim uma reposição de recursos. Nesse ano de 2020 os saques foram elevados. Só para se ter uma ideia, pelo canal financeiro chegamos a ter saída de cerca de US$ 56 bilhões [R$ 298 bi] no fluxo cambial negativo", disse à Sputnik Brasil.

    Bandeira atribuiu o fenômeno aos problemas que a taxa de câmbio brasileira enfrenta.

    "A desvalorização do real e crescente interesse externo acabou produzindo essa reposição que nós estamos falando", afirmou.

    Álvaro Bandeira disse que, além do real desvalorizado, boas empresas acabam atraindo interesses de investidores em todo o mundo.

    "O investimento direto no país de 2020 está em US$ 31 bilhões [R$ 165 bi] e a expectativa oficial é que ele possa fechar o ano próximo de 50 bilhões [R$ 266 bi]", calculou.

    Apesar do número de investimentos estrangeiros, Bandeira é cauteloso quanto à continuidade desses recursos.

    Segundo o economista, o governo brasileiro precisa ser claro sobre quais serão os passos adotados na política econômica após o fim da pandemia da COVID-19.

    "Se forem fluxos de investimento de mais longo curso, ou seja, recursos que vieram para ficar no Brasil e não especular um pouco diante de um real desvalorizado, seria absolutamente positivo. Mas para que isso se configure como um fluxo perene, seria preciso que o governo clareasse como vai agir no pós-pandemia", ponderou.

    Álvaro Bandeira acredita que o governo brasileiro enfrenta alguns obstáculos para atrair investimentos estrangeiros.

    "Reformas absolutamente necessárias que teimam em não caminhar, não serem aprovadas e nem discutidas; teto de gastos mantidos; privatizações que também não saem; e, principalmente, a política ambiental brasileira em que quase o mundo inteiro é contra o que o Brasil tem apresentado", completou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Represálias e perdas comerciais para Brasil: analista comenta declarações 'inadequadas' contra China
    'Onda Boulos': PSOL pode substituir PT como principal partido de esquerda do Brasil?
    Crise econômica e COVID-19 na Venezuela forçam migração e aumentam violência contra mulheres
    Pessimismo com Brasil e Argentina tem razões políticas e econômicas, diz especialista
    Tags:
    COVID-19, Banco Central do Brasil, Banco Central, investimentos estrangeiros, investimento externo, investimento, Brasil, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar