08:27 20 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    261
    Nos siga no

    Kassio Nunes Marques, nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro para o STF, defendeu o Estado laico e votou contra o direito de candidatos a concursos públicos remarcarem a prova por motivos religiosos. 

    Segundo o ministro, se não há previsão no edital para alteração de data e horário dos exames por questões religiosas, o Estado deve respeitar a laicidade da administração pública. O julgamento sobre o tema foi realizado nesta quarta-feira (25). 

    Se de um lado cada um deve ter liberdade para guiar-se de acordo com suas crenças, crer no que quiser e expressar publicamente sua crença, ou não crer em absolutamente nada, isso não significa que Estado deva associar-se às mesmas crenças e ser compelido, sem previsão em lei, a atender restrições dos diversos segmentos religiosos", disse o magistrado em seu voto, segundo o jornal O Globo. 

    'Terrivelmente evangélico'

    Antes de nomear Nunes Marques para o Supremo Tribunal Federal (STF), Bolsonaro chegou a dizer, por mais de uma ocasião, que gostaria de indicar um ministro "terrivelmente evangélico" para o lugar de Celso de Mello, que se aposentou em outubro. 

    O desejo do presidente foi interpretado como uma maneira de defender pautas conservadoras e de costumes na mais alta Corte brasileira. Nunes Marques tomou posse no dia 5 de novembro. O julgamento desta quarta-feira (25) foi o primeiro no qual ele analisou questões religiosas.

    'Laicidade não significa Estado ateu'

    Nunes Marques afirmou que o Estado é laico, mas deve garantir a liberdade religiosa para os cidadãos brasileiros. 

    "A laicidade do Estado não significa Estado ateu, como alguns possam equivocadamente entender. Antes, significa Estado de todas as religiões e de religião alguma. O laicismo não constitui menosprezo dos fenômenos religiosos por parte do Estado. Fato é que, se não pode professar nenhuma religião, devendo manter-se neutro, não significa manter postura hostil ou impeditiva da religiosidade", disse o ministro. 

    Até o final da tarde desta quarta-feira (25) o julgamento estava dois a dois. O ministro Dias Toffoli teve o mesmo entendimento que Nunes Marques e votou contra a possibilidade de alteração das datas dos concursos. Por outro lado, os ministros Edson Fachin e Alexandre de Moraes votaram pela possibilidade de se reagendar a data e o horário da prova para candidatos de religiões sabatistas.

    Mais:

    STF condena Valdir Raupp a 7 anos e 6 meses de prisão no âmbito da Operação Lava Jato
    STF dá 48 horas para Anvisa prestar informações sobre suspensão de testes da CoronaVac
    STF: 1ª Turma faz maioria para manter Arthur Lira, líder do centrão, como réu
    Tags:
    Brasil, Celso de Mello, evangélicos, Estado laico, religião, STF, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar