18:43 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Três dos cinco ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) votaram pela manutenção da ação penal por corrupção contra o deputado federal Arthur Lira.

    Na decisão do STF na tarde desta terça-feira (24), Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Marco Aurélio Mello votaram pela rejeição do recurso da defesa. As informações foram publicadas pelo portal UOL.

    O julgamento foi suspenso por um pedido de vista do processo feito pelo ministro Dias Toffoli. Além de Toffoli, ainda falta votar a ministra Rosa Weber.

    O deputado federal Arthur Lira, líder do centrão no Congresso, é apontado como o candidato preferido do presidente Jair Bolsonaro à presidência do Congresso. A eleição para o comando da casa está marcada para fevereiro do ano que vem.

    Entenda o caso

    Em outubro do ano passado, a primeira turma do STF decidiu receber uma denúncia contra Lira e abrir uma ação penal contra o deputado.

    A Procuradoria-Geral da República (PGR) acusa o parlamentar de ter aceitado propina no valor de R$ 106 mil em troca de apoio político para a manutenção no cargo do então presidente da Companhia Brasileira de Transportes Urbanos (CBTU), Francisco Colombo.

    Segundo a denúncia, a quantia teria sido entregue em dinheiro vivo por um assessor parlamentar enviado ao aeroporto de Congonhas, em São Paulo, a pedido do deputado. A defesa do deputado nega os crimes e aponta "falta de coerência" na acusação.

    Sessão plenária no STF (Superior Tribunal Federal), em Brasília
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Sessão plenária no STF (Superior Tribunal Federal), em Brasília

    Mais:

    Kassio Marques tomará posse no STF no dia 5 de novembro em cerimônia virtual
    STF condena Valdir Raupp a 7 anos e 6 meses de prisão no âmbito da Operação Lava Jato
    STF dá 48 horas para Anvisa prestar informações sobre suspensão de testes da CoronaVac
    Tags:
    corrupção, parlamentar, STF, Congresso
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar