20:31 05 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    74213
    Nos siga no

    Manifestantes protestam na tarde desta sexta-feira (20) em diversas cidades em frente às unidades do hipermercado Carrefour contra a morte de João Alberto Silveira Freitas, homem negro de 40 anos.

    João Alberto Silveira Freitas foi morto por dois seguranças brancos na noite desta quinta-feira (19), véspera do Dia da Consciência Negra. O homem foi espancado por seguranças de uma loja da empresa em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

    Em São Paulo, imagens e vídeos dos protestos foram colocados nas redes sociais e mostram os manifestantes ateando fogo em prateleiras e jogando pedras contra a loja do Carrefour na rua Pamplona, nos Jardins, área nobre de São Paulo.

    ​O corpo de Freitas foi levado aos Departamentos de Criminalística e Médico-legal, na noite de quinta-feira (19), e foi liberado para os familiares na tarde de sexta-feira (20).

    ​As análises iniciais do Instituto Geral de Perícias do RS (IGP-RS) apontam para a possibilidade de asfixia como causa da morte de João Alberto Silveira Freitas.

    ​Magno Braz Borges e Giovane Gaspar da Silva, seguranças flagrados pelas imagens das câmeras, foram presos em flagrante e tiveram a prisão preventiva decretada.

    Em Porto Alegre, manifestantes jogam coquetel molotov contra hipermercado

    Manifestantes protestaram na tarde desta sexta-feira (20) em frente ao hipermercado Carrefour no bairro Passo d’Areia, zona norte de Porto Alegre, unidade em que João Alberto Silveira Freitas foi espancado até a morte.

    Cartazes, bandeiras e faixas destacavam que "vidas negras importam", enquanto milhares de manifestantes exigiram Justiça pelo assassinato.

    Na parte da tarde, os manifestantes fizeram rimas contra o racismo.

    ​Já na parte da noite, parte do grupo jogou pedras e coquetel molotov contra a unidade.

    ​Policiais atiraram bombas de efeito moral contra os manifestantes.

    No Rio de Janeiro os manifestantes gritavam: 'Parem de nos matar'

    No Rio, dezenas de manifestantes fizeram um protesto no supermercado Carrefour da Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio. Aos gritos de "Assassino, Carrefour", eles chegaram a protestar até mesmo dentro do supermercado, pedindo para que a unidade fechasse.

    Manifestantes protestam dentro de supermercado Carrefour no Rio de Janeiro.
    © Folhapress / José Lucena
    Manifestantes protestam dentro de supermercado Carrefour no Rio de Janeiro.

    Antes, o grupo se posicionou no estacionamento que fica em frente ao supermercado e exibiu faixas com dizeres como "Parem de nos matar" e "Sem Justiça, sem paz". A manifestação ocorreu de forma pacífica.

    Brasilienses pediram fechamento da loja do Carrefour

    Manifestantes protestam diante do Carrefour em Brasília, contra o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, que foi espancado até a morte por dois seguranças brancos numa loja da rede em Porto Alegre (RS).
    © Folhapress / Mateus Bonomi/Agif
    Manifestantes protestam diante do Carrefour em Brasília, contra o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, que foi espancado até a morte por dois seguranças brancos numa loja da rede em Porto Alegre (RS).

    Em Brasília, as manifestações se concentraram no Carrefour localizado na Asa Sul. O ato começou na rua e depois entrou na unidade para pedir seu fechamento.

    Mais:

    Londres: protesto contra o racismo tem 113 pessoas detidas e 23 policiais feridos (FOTOS)
    Assassinato de ator africano negro em Portugal mobiliza protesto contra racismo (FOTOS)
    Motoboys protestam em condomínio após racismo contra entregador negro (VÍDEOS, FOTOS)
    Neymar é expulso e acusa espanhol de racismo: 'Arrependimento é por não ter dado na cara' (VÍDEO)
    Pesquisa mostra que subiu para 83% a percepção de que racismo aumentou ou se manteve em São Paulo
    Tags:
    agressão, violência, racismo, jovem negro, morte, protesto, Carrefour, Pedras, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar