18:41 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    4110
    Nos siga no

    A Justiça Federal determinou o afastamento das diretorias da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e do Operador Nacional do Sistema (ONS) por 30 dias, nesta quinta-feira (19).

    Segundo a Justiça, a medida tem a intenção de evitar que os diretores interfiram na apuração das responsabilidades pelo blecaute que atinge o Amapá desde o dia 3 de novembro, quando a subestação SE Macapá sofreu um incêndio.

    Desde o incêndio, que provocou o primeiro apagão total, todo o estado do Amapá está com alimentação de energia prejudicada. O segundo blecaute, na última terça-feira (17), foi ajustado em cerca de cinco horas. Há investigações abertas em órgãos federais (incluindo no ONS e na Aneel) e estaduais para explicar as causas.

    Inicialmente, o governo federal deu prazo de 15 dias para solucionar o problema, o que não aconteceu. Em seguida, a distribuidora de energia, a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), prometeu acabar com o rodízio e retomar a distribuição completa em 26 de novembro, conforme informa o G1.

    A situação no Amapá: protestos, rodízio de energia e eleições remarcadas

    Em decorrência do apagão, o Amapá iniciou um rodízio de fornecimento de energia, que tem a duração de seis horas. Diversos protestos eclodiram na capital Macapá, que teve as eleições adiadas  e remarcadas para 6 de dezembro.

    Nesta quarta-feira (18), o presidente Jair Bolsonaro ignorou perguntas realizadas por jornalistas sobre o apagão em duas ocasiões, conforme reportou o jornal O Estado de São Paulo. 

    Mais:

    Apagão no Amapá é consequência de modelo errado adotado pelo Brasil, opina especialista
    Governo federal sabia do risco de apagão no Amapá há dois anos, apontam documentos
    Brasil corre risco de apagão caso chuvas continuem escassas, alerta especialista
    Tags:
    energia elétrica, justiça, Amapá, energia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar