20:17 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    110
    Nos siga no

    A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) condenou nesta terça-feira (10) o ex-senador Valdir Raupp (MDB-RO) a sete anos e seis meses de prisão em regime semiaberto pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

    De acordo com a acusação feita pela Procuradoria-Geral da República (PGR), Raupp recebeu R$ 500 mil em doações eleitorais da empreiteira Queiroz Galvão na campanha eleitoral de 2010.

    Com base no voto de Fachin, relator do caso, o colegiado entendeu que a doação foi simulada para encobrir "vantagem indevida" e viabilizar a manutenção do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa no cargo. O caso faz parte de um dos processos da Operação Lava Jato. As informações foram publicadas pelo portal G1.

    Em outubro, Raupp foi condenado pela Segunda Turma, mas a pena ainda não tinha sido definida. Ao retomar o julgamento nesta tarde, por três votos a dois, o colegiado seguiu sugestão de pena proposta por Fachin.

    Apesar de a pena ter sido definida, Raupp poderá responder às acusações em liberdade porque ainda cabe recurso contra a condenação.

    A defesa de Valdir Raupp afirmou que vai recorrer, negou vantagem indevida e disse que a doação eleitoral foi legítima.

    Mais:

    Após polêmica com André do Rap, Fux promete fim de decisões monocráticas no STF
    Barroso leva ao plenário do STF decisão que afastou senador flagrado com notas entre as nádegas
    Indicação de Kassio Marques ao STF mostra que Bolsonaro passou a fazer política, explica analista
    Kassio Marques tomará posse no STF no dia 5 de novembro em cerimônia virtual
    Lewandowski decide que vacinação obrigatória contra COVID-19 será analisada pelo plenário do STF
    STF terá última palavra sobre quem poderá impor vacinação obrigatória, afirma jurista
    Tags:
    Luiz Edson Fachin, STF, Supremo Tribunal Federal (STF), Segunda Turma do STF, condenação, condenado, Valdir Raupp, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar