02:20 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil na luta contra COVID-19 no início de novembro (27)
    7402
    Nos siga no

    O Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que o "evento adverso grave" com voluntário brasileiro durante os testes clínicos da vacina contra COVID-19 da Sinovac não está ligado à vacina chinesa.

    Nesta terça-feira (10), o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, afirmou, durante coletiva de imprensa em Pequim, que a empresa Beijing Kexing Biological já respondeu sobre o assunto.

    O Instituto Butantan, parceiro da Kexing, concluiu que o incidente não está ligado à vacina. A parte chinesa ligada ao desenvolvimento da vacina CoronaVac, em parceria com instituto brasileiro, anunciou que continuará mantendo consultas com Butantan sobre a questão.

    "Queremos ressaltar que a empresa Sinovac Biotech já se manifestou. Em conformidade com a conclusão do instituto de pesquisa do parceiro brasileiro, o incidente não está ligado à vacina", declarou o porta-voz.

    O porta-voz enfatizou que a Sinovac segue em contato com seu parceiro brasileiro sobre o assunto.

    Médico do Hospital Universitário de Brasília mostra a vacina chinesa da Sinovac, voltada ao novo coronavírus
    © AP Photo / Eraldo Peres
    Médico do Hospital Universitário de Brasília mostra a vacina chinesa da Sinovac, voltada ao novo coronavírus

    Na segunda-feira (9), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu temporariamente o ensaio clínico da CoronaVac, testada pelo Instituto Butantan, de São Paulo, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, após ter sido noticiada sobre a ocorrência de um "evento adverso grave".

    A CoronaVac estava na terceira e última fase de testes. Com a interrupção, ela se torna agora a terceira vacina contra COVID-19 que teve seus ensaios clínicos suspensos por efeitos adversos graves.

    O imunizante contra o novo coronavírus desenvolvido pela Universidade de Oxford teve seus testes interrompidos após uma voluntária apresentar sintomas de uma doença neurológica. Já a vacina da Johnson & Johnson também interrompeu os testes depois de uma "doença inexplicável" ter acometido um dos participantes.

    Tema:
    Brasil na luta contra COVID-19 no início de novembro (27)

    Mais:

    Trump comemora vacina com 90% de eficácia contra a COVID-19: 'Ótima notícia'
    Anticorpos contra coronavírus foram descobertos em pessoas sem COVID-19
    Pfizer e BioNTech asseguram que sua vacina é mais de 90% eficaz contra COVID-19
    Tags:
    Vacina CoronaVac, Brasil, China, novo coronavírus, COVID-19, vacinação, vacina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar