01:31 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    0 42
    Nos siga no

    A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado sabatina nesta quarta-feira (21) o desembargador Kassio Nunes Marques, primeiro indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF).

    A sabatina, cuja sessão começou às 08h13, é uma das etapas obrigatórias para que Marques, desembargador do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), possa assumir a vaga no STF aberta com a aposentadoria do ministro Celso de Mello na semana passada.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o cientista político Rodrigo Prando, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, atribui a indicação de Kassio Nunes Marques ao fato de que Bolsonaro passou a articular politicamente com o Congresso.

    "Do ponto de vista político representa que Bolsonaro começou a fazer política. Há uma diferença substancial entre o discurso de campanha, o discurso que o Bolsonaro continuou fazendo depois de eleito como se estivesse em campanha e o momento em que o presidente se dá conta de que precisa governar", disse.

    Segundo Prando, a indicação de Kassio Nunes Marques representa uma aproximação de Bolsonaro com o bloco chamado de Centrão.

    "O presidente tem entendido que para se manter no cargo ele precisa essencialmente do apoio do Centrão, precisa fazer política, o Kassio é uma expressão desse momento do bolsonarismo buscando o diálogo e a construção de alianças políticas e de uma certa governabilidade", afirmou.

    Rodrigo Prando destacou, inclusive, o fato de que setores ligados à chamada "ala ideológica" do governo terem criticado o presidente pela escolha de Kassio.

    "A base de apoio mais ideológica dele, como Olavo de Carvalho, como uma parte de evangélicos, essa base mais ideológica é boa para mobilização da rede de apoio do presidente, mas não é a base ideológica que permite governar. Para governar necessita-se de pragmatismo e diálogo", lembrou.

    Além de passar pela sabatina, Kassio Marques precisa ter o nome aprovado pelo plenário do Senado, com o apoio da maioria absoluta (metade mais um) dos senadores. A expectativa é de a votação ocorrer ainda nesta quarta-feira (21).

    Kassio Nunes Marques tem 48 anos e desde 2011 atua no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), com sede em Brasília. Foi escolhido para o tribunal pela então presidente Dilma Rousseff e ingressou na Corte na cota de vagas para profissionais oriundos da advocacia.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    'Pandemia Jair Bolsonaro' traz risco à liberdade de expressão, diz presidente da ABI
    Guedes: Bolsonaro 'quer ser herói', mas 'nosso papel é segurá-lo abaixo do teto de gastos'
    'Não compraremos a vacina da China', afirma Bolsonaro
    STF forma maioria para manter prisão preventiva de André do Rap e sessão é suspensa
    Barroso leva ao plenário do STF decisão que afastou senador flagrado com notas entre as nádegas
    Tags:
    diálogo, política, articulação, Jair Bolsonaro, Kassio Nunes Marques, Supremo Tribunal Federal (STF)
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar