03:40 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    237
    Nos siga no

    Neste sábado (17), o governo federal anunciou a suspensão do imposto sobre a soja até 15 de janeiro e sobre o milho até 31 de março de 2021.

    Anunciada pelo Ministério da Economia, a decisão da Câmara de Comércio Exterior (Camex) de zerar a alíquota do imposto de importação nos dois produtos tem como objetivo conter a inflação, principalmente a alta de preços dos alimentos.

    Em particular, o milho foi incluído na Lista Brasileira de Exceções à Tarifa Externa Comum (Letec), enquanto a soja teve redução tanto no farelo e no grão, quanto no óleo de soja.

    Em setembro, o Brasil registrou o maior aumento da inflação desde 2003, o que teve impacto nos preços de alimentos e bebidas no país. No mesmo mês, o governo decidiu zerar os impostos para o arroz, tanto em casca como o beneficiado.

    A série de decisões vem em meio a um aumento nos preços de alimentos básicos como o arroz, que ao longo de setembro criou uma crise para o governo, tendo em vista os problemas econômicos enfrentados pela população durante a pandemia da COVID-19.

    Imagem de supermercado que mostra o aumento de preços do arroz,
    © Folhapress / Mineto
    Imagem de supermercado que mostra o aumento de preços do arroz

    Segundo nota publicada pelo Ministério da Economia, a resolução foi apontada ainda na sexta-feira (16), durante a 175ª Reunião Extraordinária do Comitê-Executivo de Gestão (Gecex) da Camex, o órgão responsável pela definição de alíquotas dos impostos de importação e exportação.

    O Gecex é composto pela Presidência da República e também pelos ministérios da Economia, Relações Exteriores e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

    Mais:

    Pecuária brasileira pode dobrar a produção sem desmatamento, diz especialista
    Economista: preços em alta e renda em queda devem agravar fome no Brasil
    Tags:
    COVID-19, Ministério da Economia do Brasil, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar