05:20 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    5211
    Nos siga no

    Segundo dados divulgados nesta quarta-feira (14) pelo Monitor do Comércio Brasil - EUA da Amcham Brasil, a balança comercial entre os países registrou queda de 25% em relação a 2019.

    A publicação verificou que as importações brasileiras vindas dos EUA também caíram no terceiro trimestre, e apresentaram uma redução de 41,6% em relação ao mesmo período no ano passado. Entre janeiro e setembro de 2020, a queda foi de 18,8%.

    Os dados sobre exportações também ficaram abaixo da média. No acumulado do ano, as exportações brasileiras para os EUA caíram 31,5%, registrando o total de US$ 15,2 bilhões. Este é o menor valor para o indicador desde 2010.

    ​A contração nas exportações, segundo a Amcham Brasil, resultou também na menor corrente bilateral entre Brasil e EUA nos últimos 11 anos. O valor da balança entre os países, até setembro de 2020, foi de US$ 33,4 bilhões. Em relação a 2019, isso representa uma contração de 25,1%.

    A consultoria avalia que o resultado pode ser explicado por uma combinação de fatores. A saber, a crise econômica causada pela pandemia de COVID-19, a queda do preço internacional do petróleo, e restrições ao comércio bilateral em alguns setores, como o siderúrgico.

    Neste sentido, vale lembrar que, no início de outubro, o presidente Donald Trump anunciou novas tarifas sobre o alumínio do Brasil e de outros 17 países. Na época, ele acusou o governo brasileiro de prática de dumping.

    Por fim, a análise da consultoria destaca que o saldo negativo na balança comercial entre Brasil e EUA ficou em US$ 3,1 bilhões desfavorável ao governo brasileiro. A tendência é que o país sulamericano registre o maior déficit no comércio com os EUA nos últimos cinco anos ou seis anos.

    Brasil, EUA e China

    Os Estados Unidos são o segundo maior parceiro comercial brasileiro, com fatia de 9,7% das exportações e 12,3% da corrente de comércio brasileiras. Em primeiro lugar está a China, que detém 34,1% das exportações e 28,8% da corrente de comércio.

    A China tem sido a principal fonte de contribuição para o superávit da balança comercial do Brasil, com importações de US$ 4,5 bilhões em julho e de US$ 21,9 bilhões no acumulado do ano até julho de 2020, segundo o Boletim de Comércio Exterior (Icomex) do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

    Mais:

    Trump-Bolsonaro: relação de 'compadrio' põe em risco interesses brasileiros, diz analista
    Bolsonaro diz torcer por reeleição de Trump
    Chanceler do Brasil garante que Bolsonaro conseguirá trabalhar com Biden, se ele bater Trump
    Novo embaixador do Brasil nos EUA está alinhado com 'ideias extremistas' de Trump e Bolsonaro
    Tags:
    EUA, COVID-19, Bolsonaro, Donald Trump, déficit comercial, balança comercial, China, Brasil, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar