19:12 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    111
    Nos siga no

    De acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (14), o volume de serviços no Brasil avançou 2,9% no mês de agosto. O resultado interrompeu uma sequência de quatro taxas negativas, entre fevereiro e maio, com perda acumulada de 19,8%.

    Apesar da retomada, o resultado ainda não foi suficiente para recuperar o tombo nacional de 19,8% entre fevereiro e maio. Na série sem ajuste sazonal, frente a agosto de 2019, o volume de serviços recuou 10%, sua sexta taxa negativa seguida nessa comparação.

    Segundo o IBGE, o volume de serviços segue 9,8% abaixo do patamar de fevereiro, mês que antecedeu o início das medidas de isolamento para contenção da COVID-19. Em três meses, o setor acumulou crescimento de 11,2%.

    ​A alta de 2,9% do volume de serviços, de julho para agosto de 2020, foi acompanhada pelo crescimento de quatro entre cinco atividades investigadas, com destaque para serviços prestados às famílias (33,3%) e transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (3,9%). A grande novidade na avaliação deste mês foi a reabertura de restaurantes e hotéis.

    A reabertura também incidiu sobre o índice de atividades turísticas, que cresceu 19,3% frente a julho. Destaque para São Paulo (15,8%), seguido por Rio de Janeiro (15%), Ceará (85,4%), Minas Gerais (22,9%), Bahia (48,4%), Paraná (28,8%) e Goiás (47,1%). Vale lembrar que comparado à agosto de 2019, o volume de atividades turísticas no Brasil caiu 44,5%.

    Estados

    No país, 21 das 27 unidades da federação apresentaram expansão no volume de serviços em agosto, frente a julho, acompanhando o avanço observado nacionalmente.

    Entre os locais em alta nesse mês, São Paulo (2,5%) exerceu o impacto positivo mais importante. Outras contribuições positivas relevantes vieram de Minas Gerais (5,8%), do Rio de Janeiro (1,9%) e de Santa Catarina (3,4%). Em contrapartida, Mato Grosso (-2,7%) e Tocantins (-5,5%) registraram as principais retrações.

    Segundo comunicado do IBGE, "frente a agosto de 2019, o recuo do volume de serviços no Brasil (-10,0%) foi acompanhado por 26 das 27 unidades da federação. A principal influência negativa foi São Paulo (-9,7%), seguido por Rio de Janeiro (-7,5%), Paraná (-14,1%), Bahia (-23,4%) e Rio Grande do Sul (-15,1%). Por outro lado, Rondônia (0,0%) manteve estabilidade frente a agosto de 2019".

    PIB brasileiro

    Apesar dos sinais de recuperação econômica, a estimativa atual do mercado é de um tombo de 5,03% do PIB em 2020 e alta de 3,5% em 2021, segundo a última pesquisa Focus do Banco Central. O Fundo Monetário Internacional (FMI), por sua vez, projeta um tombo de 5,8% da economia brasileira neste ano.

    O que dizem os especialistas

    No início do mês de outubro, a Sputnik Brasil entrevistou a economista da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Maria Beatriz de Albuquerque David. Segundo ela, a economia brasileira dá sinas de recuperação em função de "algumas medidas de estímulo ao consumo" adotadas pelo governo, como o auxílio emergencial, facilitação de crédito às empresas e a flexibilização das relações de trabalho.

    "Não é uma recuperação muito grande, mas é uma queda de 1,2%, ante o esperado. E também tem o impacto grande da economia mundial, que também se recuperou mais rapidamente. Principalmente a China, nosso principal parceiro em termos de commodities. Isso tem um impacto muito positivo", disse a economista à Sputnik Brasil.

    Quanto às projeções para o PIB brasileiro em 2021, a especialista alertou que os números podem suscitar falsas expectativas.

    "Isso não significa que a situação do ano que vem seja muito melhor. Mesmo que a gente cresça 3,5%, não vai dar para recuperar a queda de quase 6%, se confirmadas as previsões. A gente vai estar pior do que quando entrou na pandemia", avisou a professora.

    Mais:

    Economista: preços em alta e renda em queda devem agravar fome no Brasil
    Recuperação do Brasil acelera mas segue insuficiente, avisa economista
    Mesmo países como Brasil são mais atrativos para empresas do que Argentina, diz economista
    Decisão de reduzir o auxílio emergencial para R$ 300 é uma 'estupidez', afirma economista
    Tags:
    COVID-19, retração, economia, Crise, setores, serviço, Brasil, PIB
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar