05:07 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    230
    Nos siga no

    Nesta terça-feira (6), a Polícia Civil do Rio de Janeiro iniciou uma operação contra uma quadrilha formada por milicianos, traficantes e funcionários públicos, que explora o comércio na Zona Norte da capital fluminense.

    A Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM) cumpre, desde o início da manhã de hoje (6), 46 mandados de busca e apreensão. Há diligências na prefeitura, na Câmara de Vereadores e na Guarda Municipal da cidade. Um dos alvos é um guarda municipal que trabalhou no gabinete da vereadora Vera Lins (Progressistas), que é candidata à reeleição, mas não é investigada.

    O advogado da vereadora, James Walker Júnior, disse ao G1 que a operação causou surpresa, já que o guarda municipal suspeito não trabalha mais no gabinete há quase dois anos.

    "Ele é um guarda municipal concursado da prefeitura e que foi requisitado através da Câmara para trabalhar no gabinete. Se ele é o motivo para a investigação no gabinete da vereadora, bastaria enviar um ofício, um pedido, que saberia que ele não trabalha mais lá". "Isso é uma violência, que tem muito de gestão política. É uma tentativa de manipulação política por parte da Polícia Civil. Isso é um abuso de autoridade", afirmou.

    A Guarda Municipal, por sua vez, informou que está "à disposição da Polícia Civil para colaborar com as investigações" e assinalou que abrirá sindicância para apurar a denúncia. 

    Segundo a DRCPIM, a milícia ameaçava, extorquia e coagia comerciantes da região de Madureira. O delegado responsável informou que o grupo é liderado por Genivaldo Pereira das Neves, conhecido como Popeye.

    "São 23 pessoas investigadas nessa organização criminosa, por enquanto", disse o delegado Maurício Demétrio ao jornal O Dia.

    As investigações, que começaram em fevereiro de 2019, revelaram que o grupo é suspeito de movimentar entre R$ 60 mil e R$ 90 mil por semana com cobranças irregulares. Os policiais identificaram que apenas um shopping pagava R$ 15 mil por semana para conseguir funcionar. A milícia também é acusada de envolvimento em nove homicídios.

    Operação Esculhambação

    A ação desta terça-feira (6) é um desdobramento da Operação Esculhambação II, realizada em outubro do ano passado, na qual a polícia apreendeu 20 toneladas de produtos falsificados em Madureira.

    Mais:

    Flávio Bolsonaro financiou construções da milícia no Rio de Janeiro, aponta site
    Prisão domiciliar para Queiroz é negada pela Justiça do Rio de Janeiro
    Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro no âmbito da Lava Jato
    Tags:
    Câmara Municipal do Rio de Janeiro, Polícia Civil do Rio de Janeiro, Prefeitura do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, operação policial, milícia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar