07:43 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    340
    Nos siga no

    O número de focos de incêndio no Pantanal em setembro deste ano chegou a 8.106, o pior já registrado desde que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) começou a fazer as medições em 1998.

    De acordo com os dados divulgados pelo instituto, 2020 já é o pior ano da série histórica para o bioma, com um total 18.259 focos registrados entre 1º de janeiro e 30 de setembro. Em termos de comparação, o número de focos na totalidade do ano passado foi de 10.025, enquanto o recorde anterior era de 12.536 em 2005.

    Em uma audiência pública no Senado ocorrida nesta quarta-feira (30), o presidente do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Eduardo Bim, afirmou que o atraso na resposta do governo federal para o combate ao fogo no Pantanal foi provocado pela pandemia de COVID-19.

    Segundo Bim, a crise sanitária levou à demora na contratação de brigadistas que combatem as queimadas, que só foi concluída no final do mês de julho, quando os focos já se alastravam pela região. Em anos anteriores, o recrutamento costumava ser concluído entre os meses de abril e junho.

    "A gente teve um revés neste ano, por causa da pandemia. Isso atrasou um pouco (a contratação de brigadistas) e a gente teve algum tipo de perda em relação ao treinamento preventivo, uma prática que a gente faz todo ano", disse Bim.

    Queimadas na Amazônia

    O INPE também apresentou números sobre a Amazônia, que registrou um aumento de 61% nas queimadas em setembro deste ano em comparação com 2019, com 32.017 focos de calor contra 19.925.

    Além disso, os dados do instituto apresentam um crescimento no total anual, com 76.030 focos de janeiro a 30 de setembro, enquanto no ano passado foram 66.749 pontos de fogo na floresta nesse mesmo período.

    • Bombeiros combatem fogo próximo à rodovia Transpantaneira, no Pantanal mato-grossense
      Bombeiros combatem fogo próximo à rodovia Transpantaneira, no Pantanal mato-grossense
      © AP Photo / Andre Penner
    • Voluntário combate chamas no Pantanal, no Mato Grosso, 13 de setembro de 2020
      Voluntário combate chamas no Pantanal, no Mato Grosso, 13 de setembro de 2020
      © AFP 2020 / Mauro Pimentel
    • Tucano é fotografado nas queimadas no Pantanal, no Mato Grosso, 13 de setembro de 2020
      Tucano é fotografado nas queimadas no Pantanal, no Mato Grosso, 13 de setembro de 2020
      © REUTERS / Mauro Pimentel
    • Imagem de satélite mostram incêndios que atingiram a Amazônia
      Imagem de satélite mostram incêndios que atingiram a Amazônia
      © AFP 2020 / © 2019 Planet Labs, Inc
    • Queimada na Amazônia perto da BR-163 no Pará
      Queimada na Amazônia perto da BR-163 no Pará
      © AP Photo / Leo Correa
    1 / 5
    © AP Photo / Andre Penner
    Bombeiros combatem fogo próximo à rodovia Transpantaneira, no Pantanal mato-grossense

    Segundo as informações mais recentes disponibilizadas pelo INPE, que vão até 31 de agosto, a área total de mata nativa perdida no Brasil nos biomas da Amazônia e do Pantanal chega a 53.019 km², o que equivale a quase 35 vezes o tamanho da cidade de São Paulo.

    Mais:

    Pantanal: nuvem de fumaça chega a São Paulo e 'chuva escura' é registrada em Santa Catarina (FOTOS)
    Após dois meses de fogo, Força Nacional envia bombeiros para combater incêndios no Pantanal
    Refugiadas do Pantanal: onças recebem tratamento após incêndios devastadores
    Tags:
    incêndio florestal, meio ambiente, fogo, Brasil, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), INPE, incêndio, queimadas, Amazônia, Pantanal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar