08:49 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    391
    Nos siga no

    O Ministério Público Federal (MPF) solicitou nesta segunda-feira (28) ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) que analise o pedido de afastamento do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, do cargo.

    Os procuradores argumentam que "a permanência do requerido Ricardo de Aquino Salles no cargo de Ministro do Meio Ambiente tem trazido, a cada dia, consequências trágicas à proteção ambiental, especialmente pelo alarmante aumento do desmatamento, sobretudo na Floresta Amazônica".

    O MPF propôs o afastamento do ministro no dia 6 de julho na primeira instância da Justiça Federal no Distrito Federal. A ação tramita na 8ª Vara Federal no DF, mas o pedido ainda não foi avaliado. As informações foram publicadas pelo portal G1.

    Na última sexta-feira (25), os procuradores reiteraram para a 8ª Vara Federal no DF para que o pedido para afastar Salles do cargo fosse analisado, mas a decisão ainda aguarda recursos.

    No documento enviado ao TRF-1, o MPF apresenta dados sobre o desmatamento entre 2018 e 2019 na Amazônia.

    "Caso não haja o cautelar afastamento do requerido do cargo de Ministro do Meio Ambiente, o aumento exponencial e alarmante do desmatamento da Amazônia, consequência direta do desmonte deliberado de políticas públicas voltadas à proteção do meio ambiente, pode levar a Floresta Amazônica a um 'ponto de não retorno', situação na qual a floresta não consegue mais se regenerar", escreveu o órgão.

    Mais:

    MPF pede afastamento do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles
    Queda de Salles pode pôr fim à gestão ambiental 'mula sem cabeça' na era Bolsonaro, diz analista
    Salles é 'cancelado' por postar VÍDEO com mico da Mata Atlântica para negar incêndios na Amazônia
    Conselho presidido por Salles derruba restrições ao desmatamento em manguezais e restingas
    Tags:
    afastamento, Ministério Público Federal, Ministério do Meio Ambiente, Brasil, Ricardo Salles
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar