05:35 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    7106
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, participou de uma sessão da Comissão de Relações Exteriores (CRE), do Senado, nesta quinta-feira (24) para explicar a visita a Roraima do secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, na semana passada.

    O chanceler negou que a visita de Pompeo tenha servido como plataforma eleitoral para o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

    "Foi dito, e talvez seja uma das críticas principais à visita do secretário Mike Pompeo, que ela foi uma plataforma eleitoral para as eleições de novembro nos EUA. Bem, não é assim. Um dos elementos que mostra que não é assim é que existe nos Estados Unidos uma grande convergência entre republicanos e democratas sobre a situação na Venezuela", disse Araújo.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Carlos Gustavo Poggio, professor de Relações Internacionais da FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado), especialista em política externa dos Estados Unidos e em relações entre Brasil e EUA, discorda da visão de que a visita de Pompeo teve como objetivo fazer campanha para a reeleição de Trump.

    "O Pompeo já estava no Suriname, já estava na região e passou por Roraima, que tem o governo brasileiro que está muito adepto a recebê-lo. Faz sentido dizer que a questão da Venezuela é uma coisa que de fato une democratas e republicanos", analisou.

    Em outro momento da sessão da CRE, a senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) perguntou ao chanceler se uma eventual vitória de Biden não trará mudanças nas relações entre Brasil e EUA.

    Ernesto Araújo negou que a aproximação brasileira seja apenas com a figura de Donald Trump.

    "Não é fato que a proximidade do Brasil seja com Trump, e não com os EUA. Isso é uma interpretação, um direito da senhora, mas é ao contrário. Tudo o que estamos fazendo com os EUA tenho certeza que é de interesse permanente para os dois países. Um governo democrata, provavelmente, manteria esse mesmo enfoque, a menos que queiram trabalhar contra os seus próprios interesses, que tenho certeza que não seria o caso", afirmou o ministro.

    Carlos Gustavo Poggio discorda nesse ponto da declaração de Araújo e disse que a fala do chanceler "já prepara terreno" para uma possível derrota de Trump.

    "Ora isso é evidentemente uma falácia porque tudo que o governo Bolsonaro fez foi queimar pontos com qualquer um que não seja o Donald Trump dentro dos Estados Unidos. Basta ver o que pensam os democratas no Congresso, basta ver as declarações do próprio Biden e da Kamala Harris. O que a política externa do Brasil fez nesses últimos anos foi queimar pontos com os democratas. Nesse sentido é equivocada essa versão do Araújo de que a aproximação é com os Estados Unidos e que isso interessa ambos os países", disse.

    ​Poggio foi além e disse que a fala do chanceler mostra que o governo Bolsonaro vai procurar ser mais pragmático e menos ideológico se o presidente dos Estados Unidos for o Joe Biden.

    "Essa declaração do Araújo deixa claro que uma eventual vitória do Biden vai obrigar o governo Bolsonaro a ser um pouco mais pragmático e menos ideológico, ele não vai ter opção. Aí sim, de fato eles vão ser obrigados a buscar uma relação com os Estados Unidos. Só que eles vão ter que reconstruir as pontes com os democratas", comentou.

    Segundo o professor da FAAP, o Brasil pode ter alguns problemas em um possível mandato de Joe Biden.

    "Provavelmente em um possível mandato do Joe Biden a gente tenha alguns problemas porque a forma como o Biden olha para o Bolsonaro é como um caudilho latino-americano. Assim como olha para o Rodrigo Duterte nas Filipinas, este ser meio exótico, autoritário, isso pega muito mal entre os democratas", declarou.

    Outro ponto destacado por Poggio é de que a aproximação de Bolsonaro com Trump gerou poucos frutos concretos ao Brasil.

    "Uma visão de longo prazo da aproximação com os Estados Unidos, visão que Ernesto Araújo não tem, envolve construir pontos com a sociedade americana como um todo, não só com o Executivo e o presidente. Qualquer acordo comercial, por exemplo, precisa de aprovação do Congresso. Não adianta nem o Trump assinar o acordo tendo o Congresso com maioria democrata. Sobraram algumas migalhas para nós, mas do ponto de vista concreto, pouca coisa. Foi uma relação em que o Brasil abriu mão de muito mais benefícios do que os Estados Unidos", completou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Alinhamento de Bolsonaro com Washington vai contra 'os interesses da América Latina', diz analista
    Rodrigo Maia: visita de Pompeo 'afronta' tradições da política externa brasileira
    Turnê de Pompeo pela América Latina é 'jogada eleitoreira a favor de Trump', segundo especialista
    Araújo elogia EUA e diz que críticas de Maia à visita de Pompeo ao Brasil são 'equivocadas'
    Ernesto Araújo nega que visita de Pompeo a Roraima serviu de campanha eleitoral para Trump
    Tags:
    Ernesto Araújo, Mike Pompeo, cooperação bilateral, relações bilaterais, encontro bilateral, reunião bilateral, Donald Trump, Jair Bolsonaro, Estados Unidos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar