21:11 19 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 12
    Nos siga no

    O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello decidiu enviar ao plenário virtual, entre os dias 2 e 9 de outubro, a análise do pedido do presidente Jair Bolsonaro para prestar depoimento por escrito sobre a suposta interferência na Polícia Federal.

    No plenário virtual, os ministros depositam os documentos no sistema do STF em vez de fazer o debate e as leituras dos votos.

    A solicitação foi feita pela Advocacia-Geral da União (AGU), que argumenta que Bolsonaro teria o direito de determinar a data e o formato do próprio depoimento.

    Marco Aurélio Mello justificou a decisão de pautar o recurso no plenário virtual porque a decisão é mais rápida.

    "Por videoconferência não julgamos quase nada, continuamos na morosidade de sempre. Julgamos dois processos por sessão, se tanto. No virtual, cada ministro insere o voto, e você toca [o julgamento] mais rápido. No plenário, por videoconferência, continuamos na mesmice, não conciliando rapidez com conteúdo", declarou o ministro, citado pelo portal G1.

    O relator original do pedido, ministro Celso de Mello, negou o pedido da AGU e autorizou a PF a marcar uma oitiva para ouvir o presidente.

    No entanto, Marco Aurélio Mello assumiu a relatoria do caso após Celso de Mello ficar de licença médica.

    Mais:

    Moro diz que Bolsonaro pediu PF no Rio: 'Você tem 27 superintendências, eu quero apenas 1'
    Marco Aurélio suspende inquérito que apura suposta interferência de Bolsonaro na PF
    STF determina que Bolsonaro preste depoimento presencial sobre suposta interferência na PF
    Tags:
    interferência, depoimento, Polícia Federal - PF, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar