19:11 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    274
    Nos siga no

    A montadora alemã Volkswagen vai pagar cerca de R$ 36 milhões em compensação a mais de 60 ex-funcionários que foram perseguidos durante a ditadura militar no Brasil (1964-1985), informou a mídia alemã nesta quarta-feira (23).

    A Volkswagen deve assinar o acordo em São Paulo nesta quinta-feira (24), de acordo com uma reportagem das emissoras alemãs NDR, SWR e do jornal Sueddeutsche Zeitung. Oficialmente, a montadora não deu detalhes do acordo.

    A Comissão Nacional da Verdade (CNV), nomeada pelo governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) para investigar abusos durante a ditadura no Brasil, encontrou evidências de que empresas como a Volkswagen secretamente ajudaram os militares a identificar suspeitos de "subversivos" e ativistas sindicais em suas folhas de pagamento.

    Muitos dos trabalhadores foram demitidos, detidos ou assediados pela polícia e não conseguiram encontrar novos empregos por anos depois, uma investigação da agência Reuters mostrou em 2014.

    A reportagem da mídia alemã destacou que a subsidiária brasileira da Volkswagen pagaria uma grande parte da compensação a uma associação de ex-funcionários e seus dependentes sobreviventes.

    Ex-comandante nazista Franz Paul Stangl (à dir.) é levado para a sede da Polícia Federal em 2 de março de 1967, em Brasília
    © AP Photo / AP Photo
    Ex-comandante nazista Franz Paul Stangl (à dir.) é levado para a sede da Polícia Federal em 2 de março de 1967, em Brasília

    O historiador alemão Christopher Kopper, da Universidade de Bielefeld, que foi contratado pela Volkswagen para examinar o caso, afirmou que o acordo desta quinta-feira (24) será histórico.

    "Seria a primeira vez que uma empresa alemã aceitaria a responsabilidade por violações de direitos humanos contra seus próprios trabalhadores por eventos que aconteceram após o fim do nacional-socialismo [nazismo]", comentou ele às emissoras e ao jornal alemão.

    Anteriormente, a CNV também havia citado a Volkswagen por outra polêmica durante a ditadura militar brasileira. Em 1967, o ex-comandante dos campos de extermínio nazistas de Treblinka e Sobibór na Polônia, Franz Paul Stangl, foi preso em São Bernardo do Campo (SP), onde trabalhou por oito anos em um setor de monitoramento e vigilância.

    Austríaco de nascimento, Stangl integrou o programa Aktion T4, introduzido pelo ditador alemão Adolf Hitler para exterminar pessoas com deficiência física, sendo depois promovido para comandar dois dos mais conhecidos campos de extermínio do Terceiro Reich. Ele acabou extraditado para a Alemanha no ano de sua prisão no Brasil e morreu em 1971.

    Mais:

    'Desleal', diz analista sobre Brasil esconder ditadura militar em informe da ONU
    'Nós não deixaremos' ditadura voltar ao Brasil, diz João Doria
    Negar ditadura militar mancha credibilidade internacional do Brasil, diz cientista político
    Tags:
    direitos humanos, Comissão Nacional da Verdade (CNV), nazismo, espionagem, ditadura militar, indenizações, Volkswagen, Alemanha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar