03:19 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    211
    Nos siga no

    Em segunda denúncia apresentada contra Wilson Witzel, a Procuradoria-Geral da República (PGR) afirmou que o governador do Rio de Janeiro criou uma espécie de "rachadinha da saúde" no estado. 

    O esquema funcionaria por meio de repasses do Fundo Estadual de Saúde a sete prefeituras, que teria 10% desviado para grupo comandado pelo Pastor Everaldo, presidente nacional do PSC, partido de Witzel. 

    O plano teria sido orquestrado pelo ex-secretário de Saúde Edmar Santos. O esquema foi denunciado pelo empresário Edson Torres, apontado como operador financeiro do grupo. Para o MP, Witzel é o líder da organização criminosa. 

    Torres resolveu denunciar o suposto esquema voluntariamente ao MPF, após a deflagração da Operação Tris in Idem, que provocou afastamento de Witzel do cargo de governador, a pedido do Ministério Público e determinado pelo Supremo Tribunal de Justiça. 

    Lucro seria revertido para grupo de Pastor Everaldo

    Segundo a denúncia, a Secretaria estadual de Saúde planejou transferir R$ 600 milhões aos fundos municipais de Saúde. O plano seria destinar recursos maiores do que os municípios teriam direito, por meio do superfaturamento de obras em algumas cidades, para que o lucro fosse revertido para o núcleo comandado pelo Pastor Everaldo.

    De acordo com delação de Torres, o grupo participou de reuniões sobre os repasses com as prefeituras de Petrópolis, São João de Meriti, Paracambi e Itaboraí. As gestões de Magé, Saquarema e São Gonçalo também teriam recebido os fundos e teriam retornado uma quantia indevidamente. 

    "Houve também ajustes de pagamento de vantagem indevida, devendo o gestor do município agraciado com a verba devolver parte do valor para o grupo que o direcionou. Em Petrópolis, São João de Meriti, Paracambi e Itaboraí houve o ajuste de retorno de valores de 10% para o grupo. Além destes municípios, também foram recolhidos valores nas cidades de Magé, Saquarema e São Gonçalo", disse Torres em sua delação, segundo publicado no jornal O Globo. 

    Witzel também teria indicado município

    O ex-secretário de Saúde Edmar Santos, em sua delação premiada, confirmou o esquema. Segundo ele, além do Fundo Estadual de Saúde, que só pode ser transferido após realização de obra ou compra feita pelos municípios, foi criada outra fonte de financiamento para o esquema. 

    Santos e sua equipe teriam então planejado criar o Finansus, com um orçamento de R$ 2 bilhões, fundo por meio do qual os repasses poderiam ser feitos para custear gastos futuros. Santos denunciou ainda que Witzel indicou um município para receber o Fundo Estadual de Saúde: Duque de Caxias.

    Na última quinta-feira (17), a Comissão Especial de Impeachment da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) votou pelo prosseguimento do processo de impeachment do governador Wilson Witzel.

    Mais:

    PGR diz estar 'convicta' sobre necessidade de prisão de Wilson Witzel
    Analista vê nuance do afastamento de Witzel que poderia afastar Bolsonaro sem impeachment
    Alvo de novas denúncias, afastamento de Witzel gera debate sobre ativismo judicial
    Tags:
    PSC, Pastor Everaldo, corrupção, saúde, STJ, MPF, PGR, governador, Rio de Janeiro, Wilson Witzel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar