06:21 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    7612
    Nos siga no

    Nesta segunda-feira (14), o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, foi denunciado pela quarta vez no Ministério Público Federal (MPF).

    Segundo a denúncia da Operação Lava Jato, o ex-presidente teria participação, através de doações ao Instituto Lula, em um esquema de lavagem dinheiro com a empreiteira Odebrecht.

    A denúncia é semelhante às feitas anteriormente pela Lava Jato do Paraná, e aponta que entre 2013 e 2014, o Instituto Lula teria recebido R$ 4 milhões da empreiteira por obras da Petrobras. A denúncia cita ainda o ex-ministro Antonio Palocci e o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto.

    A denúncia será analisada pelo juiz federal Luiz Bonat, substituto de Sergio Moro na Lava Jato no Paraná.

    As novas acusações estão sob responsabilidade do novo coordenador da operação no Paraná, Alessando Oliveira, substituto de Deltan Dallagnol, que deixou a Lava Jato no início do mês após uma série de controvérsias.

    Lula já foi condenado anteriormente em dois processos na Lava Jato e aguarda em liberdade o julgamento de recursos. Após a condenação do tríplex no Guarujá, Lula ficou preso por 580 dias e deixou a prisão, em Curitiba, em novembro de 2019, após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) vetando a prisão após condenação em segunda instância.

     Cristiano Zanin Martins, advogado do ex-presidente Lula, na sede da Polícia Federal em Curitiba (PR).
    © Folhapress / Eduardo Matysiak/Futura Press
    Cristiano Zanin Martins, advogado do ex-presidente Lula, na sede da Polícia Federal em Curitiba (PR).

    Conforme publicou o jornal Folha de São Paulo, a defesa do ex-presidente Lula afirmou que as doações citadas pela nova denúncia são lícitas e devidamente documentadas. A defesa de Lula aponta ainda que a ação da Lava Jato vem em um momento em que a ilegalidade de seus métodos foi reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

    Deltan Dallagnol fala sobre a Lava Jato no Congresso da Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital, Rio de Janeiro, 7 de julho de 2016
    © Foto / Fernando Frazão
    Deltan Dallagnol fala sobre a Lava Jato no Congresso da Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital, Rio de Janeiro, 7 de julho de 2016

    A defesa aponta ainda que a nova denúncia reforça a necessidade de "ser reconhecida a suspeição dos procuradores de Curitiba" e também do ex-juiz Sergio Moro. Tal processo corre hoje no STF e pode anular processos abertos contra Lula em Curitiba. Já a defesa de Paulo Okamotto afirmou que a denúncia repete ilegalidade e que a Justiça não deve receber "essa repetição de fatos jurídicos já apreciados com nova roupagem".

    A Lava Jato e seus membros vêm sendo alvo de críticas e ações que anularam julgamentos e condenaram os métodos empregados pela operação, o que vem ocorrendo principalmente após revelações de mensagens trocadas entre procuradores, em 2019, no escândalo que ficou conhecido como Vaza Jato.

    Mais:

    STF anula sentença de Moro no caso Banestado por quebra de imparcialidade
    Lava Jato: TRF-4 absolve ex-tesoureiro do PT que foi condenado por Moro
    Deltan recebeu R$33 mil por palestra de empresa citada na Lava Jato
    TRF-1 arquiva ação penal contra ex-presidente Lula no caso de obras da Odebrecht em Angola
    Posição de Toffoli sobre a Lava Jato segue desconhecida, diz professor
    Sob fogo cruzado: qual o futuro da Lava Jato em uma arena cercada de inimigos?
    Tags:
    MPF, Lava Jato, Lula
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar