16:04 20 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    O ministro Luiz Fux tomou posse na última quinta-feira (10) como novo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

    Fux sucederá o ministro Dias Toffoli e ficará no comando da mais alta Corte do país pelos próximos dois anos. Ele também presidirá o Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

    Em seu discurso de posse, Fux disse que o Poder Judiciário "não hesitará" em tomar decisões que protejam minorias, liberdade de expressão e liberdade imprensa e preservem a democracia e o sistema republicano de governo.

    Para o cientista político Ricardo Ismael, professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), Fux deixou claro que vai priorizar "duas questões importantes".

    "Primeira [questão] que não vai aceitar nenhum ataque ao Supremo Tribunal Federal como instituição e segundo que vai dar apoio às investigações da Operação Lava Jato. Ele reconhece a importância da Operação Lava Jato nesse contexto histórico recente e julga que a Operação Lava Jato deu uma contribuição ao combate a corrupção e ao fim da impunidade no país", disse à Sputnik Brasil.

    Para Ricardo Ismael, Dias Toffoli em alguns momentos priorizou "uma agenda política".

    "O ministro Dias Toffoli estreitou muito as relações com o Congresso Nacional e também com a Presidência da República. Procurou se aproximar do presidente da República, dos presidentes das duas Casas Legislativas e, de alguma maneira, às vezes priorizava uma agenda mais política do que a agenda do Supremo Tribunal Federal", lembrou.

    Já Luiz Fux, segundo Ismael, vai priorizar a agenda do próprio Supremo.

    "Eu entendo que o ministro Luiz Fux tende a priorizar os aspectos mais jurídicos, processuais, evitando estar o tempo todo dando declarações sobre questões relativas ao campo político e sobre questões do cotidiano da política. Até mesmo é importante que isso aconteça porque nós estamos ingressando no processo eleitoral", analisou.

    Ricardo Ismael diz que o movimento de se voltar os olhos para a agenda do próprio do STF é necessário neste momento.

    "As eleições municipais de 2020 vão tomar conta do país inteiro e é importante que a gente tenha uma tranquilidade, que os eleitores e eleitoras possam discernir sobre as melhores alternativas para as Prefeituras. De maneira que eu acho importante agora que o STF passe a se concentrar em questões importantes que estão lá para serem julgadas", comentou.

    De acordo com o cientista político, há uma divisão dentro do STF entre aqueles que querem impor limites a Operação Lava Jato contra outros que apoiam de forma mais aberta os mecanismos usados durante a operação.

    Ricardo Ismael acredita que Fux deve ficar ao lado daqueles que se aproximam na defesa da continuidade da Operação Lava Jato.

    "Esses embates e conflitos vão acontecer, mas acho que o ministro Luiz Fux é suficientemente experiente para tentar mostrar para os seus colegas que tudo tem que ter limites. Esses embates no plenário, ou mesmo declarações à imprensa, têm que ser mantidos em um nível que preserve a imagem do STF. Afinal de contas todos têm esse papel de tentar defender a instituição perante a opinião pública e o povo brasileiro", completou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Toffoli na presidência do STF: um ano de crise e polêmicas
    Rodrigo Maia diz que Toffoli atuou contra quem queria 'calar os poderes da República'
    Posição de Toffoli sobre a Lava Jato segue desconhecida, diz professor
    Novo trecho de conversa entre Moro e Dallagnol cita diálogo entre procurador e Luiz Fux, do STF
    Fux revoga decisão de Toffoli e suspende juiz de garantias por tempo indeterminado
    Em votação antecipada, Luiz Fux é eleito presidente do STF e assume em setembro
    Tags:
    Dias Toffoli, presidência, Brasil, Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar