09:08 27 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    952
    Nos siga no

    A Polícia Federal (PF) em Mato Grosso do Sul deflagrou na manhã desta segunda-feira (14) buscas em Corumbá e em Campo Grande pelos responsáveis por queimadas em áreas de preservação permanentes e na Serra do Amolar, no Pantanal sul-mato-grossense.

    A operação foi denominada Matáá, que significa fogo no idioma guató, em referência aos índios pantaneiros Guatós que vivem nas proximidades das áreas atingidas.

    O objetivo da operação é cumprir dez mandados de busca e apreensão para a investigação que apura os danos a 25 mil hectares de vegetação da região, que fica na divisa com o Mato Grosso.

    Segundo uma reportagem do portal G1, não há mandados de prisão expedidos, porém, podem ocorrer prisões em flagrante nos locais onde estão sendo feitas as buscas e apreensões.

    Os suspeitos podem responder pelos crimes de dano a floresta de preservação permanente, dano direto e indireto a unidades de conservação, incêndio e poluição (Art. 54, da Lei no 9.605/98), cujas penas somadas podem ultrapassar 15 anos de prisão.

    Conforme os últimos dados divulgados pelo Ibama, são 2.349.000 hectares de áreas destruídas pelo fogo, sendo 1.259.000 hectares no Mato Grosso e 1.081.000 hectares em Mato Grosso do Sul.

    Mais:

    Falta de chuvas e redução de cabeças de gado facilitaram incêndios no Pantanal, diz especialista
    Inpe: tempo seco e calor favorecem novos focos de incêndio no Pantanal
    Incêndio no Pantanal do Mato Grosso foi intencional, revela perícia
    Melhores fotos da semana em que moradores tentam conter as chamas no Pantanal
    Governo está 'queimando dinheiro' na Amazônia e no Pantanal, dizem ambientalistas
    Tags:
    meio ambiente, floresta, queimadas, fogo, incêndio, Pantanal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar