05:25 31 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 141
    Nos siga no

    Operação realizada nesta quarta-feira (9) pela Polícia Civil e pelo MP do Rio cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços de Ronie Lessa, suspeito do assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ). 

    O ex-vereador Cristiano Girão também é alvo da operação, que investiga a morte do casal André Henrique da Silva Souza, o Zóio, e Juliana Sales Oliveira, em 2014, na Gardênia Azul, zona oeste do Rio de Janeiro. Foram cumpridos mandados em endereços no Rio de Janeiro e São Paulo. 

    O veículo onde o casal estava foi alvejado com 40 tiros, em crime semelhante ao cometido contra a parlamentar do Psol. Zóio é apontado como rival de Girão no controle da milícia na região. O ex-vereador teria contratado o policial aposentado Ronnie Lessa para cometer o assassinato. O casal estava em um Honda Civic quando foi abordado, em movimento, por pelo menos três homens em um Fiat Doblô prata.

    Girão está em liberdade condicional

    Preso desde março de 2019 em penitenciária de segurança máxima em Porto Velho (RO), o policial reformado é acusado de matar Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes em março de 2018. Ele teria cometido o crime ao lado do policial Élcio de Queiroz, apontado como motorista do carro usado no ataque. 

    Girão, por sua vez, está em liberdade condicional após cumprir parte da pena de 14 anos de prisão por chefiar uma milícia na Gardênia Azul. 

    Essa é a primeira operação que tem como alvo Girão e Lessa ao mesmo tempo. Em 2008, o ex-vereador foi denunciado pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Milícias, presidida pelo então deputado estadual Marcelo Freixo (Psol-RJ), por chefiar uma organização criminosa na Gardênia.

    Apesar de a morte de Marielle Franco não ser o motivo da operação, a polícia acredita que a ação é um passo importante para descobrir os mandantes da morte de Marielle.

    Mais:

    Caso Marielle: Moro defende Bolsonaro e fala em 'fraude' para envolver nome do presidente
    Bombeiro é preso no Rio por suspeita de ligação com morte de Marielle Franco
    Instituto Marielle Franco lança plataforma antirracista com foco nas eleições
    Tags:
    Marielle Franco, milícia, operação, investigação, Polícia Civil, MP, Polícia, crime, Rio de Janeiro, PSOL
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar