05:37 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    3110
    Nos siga no

    O gabinete do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos), do Rio de Janeiro, teria gasto R$ 7 milhões com supostos funcionários fantasmas desde 2001, segundo aponta uma investigação do Ministério Público.

    O valor teria sido pago a 11 servidores que estão sendo investigados pelo MP, como parte do caso que apura se o filho do presidente Jair Bolsonaro teria cometido peculato, desvio de dinheiro público

    As informações constam de um ofício anexado à investigação, obtidas com exclusividade pela GloboNews. 

    ​De acordo com a reportagem que foi ao ar nesta sexta-feira (4), um dos servidores suspeitos, Guilherme Hudson, recebeu quase R$ 1,5 milhão do gabinete do vereador, ao longo de dez anos, por trabalhos de assessoria jurídica que ele não conseguiu comprovar, afirmando ter "trocado pouquíssimos e-mails" com Carlos Bolsonaro e não ter guardado nenhum documento desse período. 

    Hudson, durante vários anos, dirigiu todos os dias até a cidade de Resende, no Sul Fluminense, para levar a esposa, Ananda, para a faculdade. Gastava em média 5 horas e 20 minutos no trajeto de ida e volta, levando o MP a questionar que horas, então, ele cumpria suas funções na Câmara Municipal do Rio.

    O servidor assumiu o cargo de chefe de gabinete, substituindo sua prima Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro, que recebeu R$ 670 mil na função. Já Ananda Hudson, que também fez parte do gabinete por um ano e cinco meses, recebeu R$ 117 mil nesse período. 

    ​Outro bem-afortunado do grupo, o militar da reserva Edir Barbosa Goes, que ainda é assessor do vereador, também recebeu cerca de R$ 1,5 milhão do gabinete de Carlos Bolsonaro, ao longo de 11 anos. Aos investigadores, ele disse que os pagamentos foram referentes a entregas de panfletos informativos na Zona Oeste da capital, de porta em porta e em filas de bancos. Pela função, segundo informações da Câmara, ele recebeu um salário de R$ 17 mil em maio do ano passado, mas, questionado pelos promotores, disse não ter nenhum exemplar dos panfletos entregues para mostrar.

    Ainda de acordo com a GloboNews, o relatório dos investigadores também cita servidores de idade elevada residentes em outras cidades e até estados. 

    A defesa do parlamentar disse que não iria comentar o caso porque a investigação está sob sigilo.

    Mais:

    Eduardo Bolsonaro contraiu 'vírus mental' em Miami, diz embaixada da China no Brasil
    Flávio Bolsonaro falsificava notas fiscais, afirma empresário
    Loja de Flávio Bolsonaro recebeu 1.512 depósitos fracionados em dinheiro vivo
    Investigado pelo MP-RJ, Carlos Bolsonaro ataca a imprensa: 'não vou cair na armadilha'
    Investigação sobre funcionários fantasmas: Carlos Bolsonaro perde foro privilegiado
    Tags:
    vereador, Ministério Público, Globonews, investigação, desvio, peculato, Ana Cristina Valle, Carlos Bolsonaro, Jair Bolsonaro, Bolsonaro, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar