04:48 31 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2610
    Nos siga no

    A Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro decidiu nesta quinta-feira (3), por 25 votos a 23, barrar a abertura de processo de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos). 

    A sessão durou quase quatro horas e aconteceu de forma híbrida, presencial e remota, em função da epidemia do novo coronavírus. Para o processo ser barrado, bastava maioria simples. 

    O pedido de impeachment tinha sido apresentado pelo PSOL, com base em matéria do jornal RJ2, da TV Globo, sobre a existência em aplicativo de conversas do grupo "Guardiões do Crivella", que teria como objetivo impedir a imprensa de cobrir a situação dos hospitais municipais. 

    Crivella estaria em um dos grupos

    O objetivo do grupo seria recrutar e organizar a ida de funcionários da prefeitura para a porta de hospitais públicos para atrapalhar reportagens e impedir possíveis denúncias. O próprio Crivella faria parte de um dos grupos. 

    Esse foi o quarto pedido de afastamento contra o prefeito votado na Câmara dos Vereadores. Antes dele, dois foram rejeitados e um aprovado. Ao final do processo, no entanto, os vereadores consideraram que não havia elementos suficientes para pedir o impeachment de Crivella. 

    Uma Comissão Parlamentar de Inquérito foi criada para apurar as denúncias sobre o caso atual, mas a oposição diz que ela está nas mãos de vereadores governistas. 

    Mais:

    Sociedade precisa pressionar para Maia aceitar impeachment de Bolsonaro, diz deputado do PSOL
    Banho de sol na praia, só depois de vacina para a COVID-19, diz Crivella
    Crivella e Flávio Bolsonaro destacam união e criticam imprensa em videoconferência
    MP eleitoral pede inelegibilidade de Crivella até 2026 por promessas de benefícios a religiosos
    Tags:
    PSOL, Republicanos, Marcelo Crivella, vereadores, legislativo, COVID-19, novo coronavírus, saúde, impeachment, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar