15:45 20 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lutando com COVID-19 no início de setembro (45)
    1120
    Nos siga no

    Nesta quinta-feira (3), um levantamento do Tribunal Superior do Trabalho (TST), mostrou que o número de ações trabalhistas relacionadas à pandemia do novo coronavírus continua crescendo no Brasil.

    O documento publicado pelo TST aponta que o país somava 14.286 ações relacionadas à COVID-19 até o mês de julho. Já em janeiro, o Brasil tinha 164 ações como essas, número que cresceu desde então e teve a maior expansão entre os meses de abril e maio – alta de 66,5%, enquanto o total de ações subiu cerca de 1%.

    As ações relacionadas à COVID-19 pedem garantia de direitos como a liberação do FGTS e do aviso prévio. Apesar do aumento desse tipo de ação trabalhista, os processos sobre o novo coronavírus são apenas 2% do total, que soma 851.202 ações, conforme aponta o TST.

    Em Santos, litoral do estado de São Paulo, pessoas transitam de máscara em meio à pandemia da COVID-19 no Brasil, em 16 de agosto de 2020
    © Folhapress / Fernanda Luz / Agif
    Em Santos, litoral do estado de São Paulo, pessoas transitam de máscara em meio à pandemia da COVID-19 no Brasil, em 16 de agosto de 2020

    Os estados que registraram o maior número de ações sobre a COVID-19 foram Santa Catarina e Rio Grande do Sul, o que, conforme publicou o portal G1, coincide com o crescimento do número de casos da doença em frigoríficos dos dois estados.

    Ainda segundo o levantamento do TST, as dez áreas que mais concentram ações trabalhistas relacionadas à doença são: Indústria (2.434), Comércio (1.768), Transporte (1.616 ações), Serviços diversos (1.389), Turismo, Hospitalidade e Alimentação (1.163), Administração Pública (583), Seguridade Social (571), Comunicações (475), Sistema financeiro (430), e Educação, Cultura e Lazer (322).

    Pandemia e direitos trabalhistas

    As relações trabalhistas durante a pandemia da COVID-19 no Brasil têm sido tema de protestos e controvérsias, com manifestações de rua de entregadores de aplicativos exigindo mais proteção e apoio das empresas e também decisões em tribunais superiores sobre a temática. Além disso, o período tem sido marcado pelo aumento do desemprego.

    Entregadores de aplicativo protestam em São Paulo em meio à pandemia do novo coronavírus
    © REUTERS . Amanda Probelli
    Entregadores de aplicativo protestam em São Paulo em meio à pandemia do novo coronavírus

    Na terça-feira (1º), casos do novo coronavírus chegaram a ser incluídos na Lista de Doenças Relacionadas ao Trabalho (LDRT) pelo Ministério da Saúde, o que foi invalidado em nova portaria publicada na quarta-feira (2).

    A partir dessa reviravolta voltou a valer o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) de abril deste ano, quando o STF decidiu que casos de COVID-19 poderiam ser enquadrados na categoria de doença ocupacional, após perícia do INSS.

    Tema:
    Brasil lutando com COVID-19 no início de setembro (45)

    Mais:

    'Breque dos apps': entregadores de aplicativos fazem 2ª greve nacional
    Organização Internacional do Trabalho: COVID-19 eliminará 195 milhões de empregos
    Agropecuária brasileira perdeu 391 mil postos de trabalho durante pandemia da COVID-19, diz pesquisa
    Brasil: governo volta atrás após incluir COVID-19 em lista de doenças de trabalho
    Tags:
    STF, TST, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar