14:44 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    140
    Nos siga no

    O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, deu prazo de 24 horas para que a Procuradoria-Geral da República (PGR) e o Superior Tribunal de Justiça (STJ) se manifestem sobre o pedido do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, para retornar ao cargo.

    Após receber as informações, Dias Toffoli decidirá sobre o pedido. No sábado (29), a defesa de Witzel apresentou recurso para derrubar a decisão que determinou a medida, informou Agência Brasil.

    Na sexta-feira (28), Wilson Witzel foi afastado do cargo por 180 dias. A decisão foi tomada pelo ministro Benedito Gonçalves, do STJ. O afastamento foi determinado no âmbito da Operação Tris in Idem, um desdobramento da Operação Placebo, que investiga atos de corrupção em contratos públicos do governo do Rio de Janeiro.

    Segundo a investigação, a suposta organização criminosa, instalada no governo estadual a partir da eleição de Witzel, é formada por três grupos que, sob a liderança de empresários, pagavam vantagens indevidas a agentes públicos. Os grupos teriam loteado as principais secretarias para beneficiar determinadas empresas.

    Wilson Witzel negou o seu envolvimento em atos de corrupção e declarou que seu afastamento seria infundado.

    Mais:

    MPF chegou a pedir prisão preventiva de WIlson Witzel, diz procurador
    'Se Bolsonaro queria o Rio, agora tem', diz cientista político sobre afastamento de Witzel
    Tags:
    PGR, STJ, STF, Dias Toffoli, Brasil, Wilson Witzel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar