05:36 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    156
    Nos siga no

    O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), o brasileiro Roberto Azevedo, renuncia ao cargo nesta segunda-feira (31), deixando o corpo já ferido, que enfrenta a maior crise de seus 25 anos de história, sem líder.

    À medida que a influência da OMC diminui no planeta, as crescentes tensões internacionais e o protecionismo durante uma desaceleração induzida pela COVID-19 tornam cada vez mais urgente uma reforma das regras de comércio global.

    "É uma nova [...] baixa para a OMC", disse Rohinton Medhora, presidente do Centro para Inovação em Governança Internacional. "A organização está sem rumo há algum tempo, vários anos na verdade, e agora estará funcionalmente sem liderança".

    Em particular, o tribunal de apelações da OMC, que governa as disputas comerciais internacionais, foi paralisado pelo bloqueio dos Estados Unidos à nomeação de novos juízes.

    De saída da OMC, Azevedo terá um novo cargo na companhia PepsiCo Inc e oito candidatos competem para substituí-lo.

    Em 1999, houve uma lacuna de liderança de quatro meses e as diretrizes para evitar uma recorrência exigiam que 164 membros selecionassem um substituto temporário dos quatro suplentes atuais. Mas a insistência de Washington em seu candidato impediu o acordo, deixando um vácuo que durará meses.

    Entrada para a sede da OMC em Genebra, Suiça (foto de arquivo)
    © AP Photo / Fabrice Coffrini
    Entrada para a sede da OMC em Genebra, Suiça (foto de arquivo)

    Eleições nos EUA

    Em teoria, um vencedor deveria ser escolhido antes de 7 de novembro, em um processo de eliminação acordado que visa a nomeação de um novo CEO por consenso. Na prática, fontes empresariais dizem que a incerteza em torno da eleição presidencial de 3 de novembro nos EUA, que não dizem publicamente qual candidato preferem, pode atrasar ainda mais as coisas.

    O orçamento de 2021, que será definido no final do ano e que Washington pode questionar, também pode ser um entrave.

    O governo do presidente Donald Trump diz que a OMC, que levou quase 20 anos para negociar seu primeiro acordo global, passou anos sem responsabilizar a China por práticas comerciais desleais. Ele também diz que o sistema de tarifas da OMC é injusto para os Estados Unidos.

    Trump até sugeriu deixar a OMC, embora nenhum plano firme tenha sido anunciado. Em outra frente, a Casa Branca conseguiu um compromisso do presidente Jair Bolsonaro para o Brasil deixar de ter um status especial dentro da organização, no que facilitaria as relações comerciais bilaterais entre os dois países, em troca do apoio à entrada brasileira na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

    Mais:

    'Odiadas' pelos EUA, OMC e organizações multilaterais devem ser fortalecidas, diz premiê russo
    União Europeia, Brasil e outros países acordam sistema de apelação para disputas na OMC
    Coronavírus faz OMC suspender todas as suas reuniões
    Tags:
    multilateralismo, cooperação multilateral, Donald Trump, Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), OMC, Roberto Azevedo, economia, comércio, China, Estados Unidos, Europa, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar