07:59 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no final de agosto (50)
    0 21
    Nos siga no

    Neste sábado (29), a divulgação do indicador de comércio do Serasa Experian apontou o crescimento do setor do comércio no Brasil em 5,2%.

    Os números do indicador, conforme publicado pelo G1, são referentes a junho, e apontam também uma desaceleração em relação ao mês anterior, maio, quando houve crescimento de 10,3% no setor.

    Segundo o Serasa, o segmento de "Tecidos, Vestuários, Calçados e Acessórios" foi o que mais cresceu em junho, com expansão de 16%, seguido pelo de "Supermercados, Hipermercados, Alimentos e Bebidas Móveis", que se expandiu 4,6%.

    Já os setores que registraram pior resultado foram os de "Combustíveis e Lubrificantes", com queda de 1,6%, e "Materiais de Construção", com recuo de 0,7%.

    Movimentação nas ruas e comércio nos arredores do Mercado Popular do Saara, no centro do Rio de Janeiro, durante a pandemia da COVID-19, em 10 de julho de 2020.
    © Folhapress / Fernando Souza / Agif
    Movimentação nas ruas e comércio nos arredores do Mercado Popular do Saara, no centro do Rio de Janeiro, durante a pandemia da COVID-19, em 10 de julho de 2020.

    Os números publicados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam uma variação semelhante, com recuo do setor em 17% em abril, seguido de avanço de 14,4% em maio e 8% em junho.

    A expectativa geral da economia continua sendo de queda ao final do ano devido ao impacto da pandemia do novo coronavírus. Segundo os dados do mais recente relatório de mercado Focus, do Banco Central, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve cair 5,46% em 2020.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil no final de agosto (50)

    Mais:

    FGV: confiança do comércio brasileiro avança, em 4ª alta consecutiva
    Valor da Apple supera PIB do Brasil e mostra que país precisa se desenvolver, diz economista
    Agronegócio aumentará ainda mais participação no PIB do Brasil pós-pandemia, diz economista
    Tags:
    COVID-19, IBGE, Banco Central, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar