06:17 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    160
    Nos siga no

    Um estudo divulgado nesta quarta-feira (26) mostrou que cerca de 2.195 pessoas foram hospitalizadas por problemas respiratórios causados pela inalação de ar poluído pela fumaça das queimadas que atingem a Amazônia.

    O levantamento é uma parceria entre o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), Instituto de Estudos de Políticas de Saúde (IEPS) e a Human Rights Watch (HRW).

    Entre as pessoas afetadas, há 467 bebês e 1.080 idosos com mais de 60 anos, que correspondem a 70% das hospitalizações, informou o relatório.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Alexandre Milagres, médico pneumologista, elogiou o estudo feito pelo grupo e disse que as queimadas têm trazido efeitos negativos para a saúde da população da região.

    "É inegável que essas queimadas na Amazônia têm contribuído muito para o adoecimento da população, principalmente daquela área. Também tem gerado um número imenso de internações de pessoas adultas, idosas e crianças, com efeito até na saúde neonatal", afirmou.

    Alexandre Milagres explicou que os incêndios na floresta amazônica provocam doenças especialmente no aparelho respiratório e no aparelho cárdio-cerebrovascular.

    "Quando a gente analisa com detalhe as doenças provocadas pela inalação das fumaças produzidas pelas queimadas a gente vê um aumento muito grande das alterações que a gente chama de inflamatórias. Nós temos desde onde o ar passa, pelo nariz, caso de rinite, caso de faringite, laringite, de bronquite. Essas bronquites podem ser bronquites agudas ou podem mesmo levar a bronquites crônicas. A gente nota também uma descompensação dos casos de asma ou de enfisema", explicou.

    O médico pneumologista chamou atenção para o fato que muitas substâncias ao serem expostas aos raios ultravioleta se tornam mais tóxicas ao organismo.

    "Muitas substâncias são aditivadas, por assim dizer, pelos raios ultravioleta e se transformam muitas vezes em substâncias mais tóxicas e mais inflamatórias do que as próprias substâncias inaladas naturalmente", destacou.

    A exposição desses elementos aos raios ultravioleta pode inclusive causar câncer de pulmão nas pessoas que são afetadas, segundo Alexandre Milagres.

    "A gente vê um número muito aumentado de diagnóstico de câncer de pulmão em pacientes expostos a esse tipo de fumaça, de fuligem de cinza. Já está sendo detectada a alteração no DNA das células, as células estão afetadas tão profundamente que seu DNA está sendo transformado o que a longo prazo pode gerar uma quantidade inestimável de casos de câncer de pulmão e de outros sítios", disse.

    Dados do governo federal mostram que o número de incêndios na Amazônia brasileira aumentaram 28% frente a julho de 2019, chegando a 6.803 focos.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Como um duplo ataque aos pulmões pode afetar a população da Amazônia Legal nos próximos meses?
    Decreto do governo proíbe queimadas em todo o Brasil por 120 dias
    Falta de chuvas e redução de cabeças de gado facilitaram incêndios no Pantanal, diz especialista
    Incêndios na Amazônia atingem maior recorde em 10 anos, revela Greenpeace
    Incêndios florestais avançam e deixam rastros de devastação no Brasil e no mundo
    Tags:
    doença, câncer, queimadas, incêndios florestais, incêndio florestal, Amazônia Legal, Amazônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar