13:39 27 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    4515
    Nos siga no

    O acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul – formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai – parece estar começando a fazer água, afirmou o vice-presidente brasileiro Hamilton Mourão nesta quinta-feira (27).

    Durante uma transmissão ao vivo, organizada pela Federação das Câmaras de Comércio Estrangeiras, Mourão citou vários problemas relacionados com a Argentina ao falar sobre o documento firmado no ano passado.

    "Esses problemas surgem num momento em que o grande esforço que foi feito no ano passado na articulação daquele acordo Mercosul-UE parece estar começando a fazer água", afirmou Mourão, usando um termo que significa "afundar".

    O vice-presidente brasileiro garantiu que é necessário que o país tenha uma equipe em condições de "negociar permanentemente", não só com outros parceiros brasileiros, mas também com a UE.

    Sobre a Argentina, Mourão falou sobre o aumento dos casos de COVID-19, a demora do governo argentino em permitir a entrada de produtos brasileiros e a crise da dívida do país vizinho.

    Cartaz diz Não foi o clima, é o sistema, foi Bolsonaro. Defenda a Amazônia é exibido durante protesto em Buenos Aires
    © AP Photo / Natacha Pisarenko
    Cartaz diz "Não foi o clima, é o sistema, foi Bolsonaro. Defenda a Amazônia" é exibido durante protesto em Buenos Aires

    O acordo entre UE e Mercosul foi firmado em junho do ano passado após quase 20 anos de negociações, mas para que entre em vigor é necessário o ajuste jurídico e técnico dos textos e a ratificação nos parlamentos dos países membros do Mercosul, o Parlamento Europeu e os 28 Estados da UE.

    Representantes da Irlanda, França e Holanda já se manifestaram contra a ratificação do acordo por problemas de preservação da Amazônia no Brasil, e na semana passada a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse ter "sérias dúvidas" de que o acordo possa entrar em vigor, devido ao aumento do desmatamento naquela área do território brasileiro.

    Sobre o desmatamento da Amazônia, o vice-presidente brasileiro não teceu comentários aprofundados na mesma transmissão ao vivo.

    Mourão também sugeriu que o Itamaraty e o Ministério da Economia brasileiro criassem um grupo de trabalho para acompanhar o andamento do acordo.

    Mais:

    Embaixador alemão alerta que, sem queda na destruição da Amazônia, acordo UE-Mercosul não deve sair
    Acordo Mercosul-UE enfrenta resistência externa e dúvidas entre Brasil e Argentina, diz professora
    Mercosul não deve escolher lado entre EUA e China, afirma analista
    Tags:
    Alberto Fernández, meio ambiente, desmatamento, Amazônia, acordo comercial, diplomacia, Antonio Hamilton Mourão, Angela Merkel, Alemanha, Europa, Paraguai, Uruguai, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar