10:35 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2201
    Nos siga no

    Os funcionários dos Correios de todo o país anunciaram a decisão de manter a greve da categoria após suspensão do acordo coletivo. A paralisação começou no dia 17 de agosto.

    De acordo com a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), a medida foi motivada pela decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de manter o acordo coletivo dos trabalhadores dos Correios suspenso.

    "A orientação da Fentect e Sindicatos filiados é para os trabalhadores se manterem mobilizados, participando das atividades convocadas pelos sindicatos, e convocarem todos os seus companheiros a aderirem à greve", afirmou a entidade em nota.

    De acordo com a organização, "a direção da ECT [Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos] propõe a retirada de 70 cláusulas nas quais previam direitos importantes da categoria". Na lista, estariam benefícios como: vale alimentação, vale cultura, licença maternidade de 180 dias, auxílio creche, indenização de morte, auxílio para filhos com necessidades especiais, pagamento de adicional noturno e horas extras.

    A Fentect afirma que, com a suspensão do acordo coletivo, a redução na folha de pagamento de funcinários pode chegar a 40%.

    "A decisão, na avaliação da Federação, abre precedente perigoso para demais categorias de servidores de empresas estatais. Um movimento orquestrado que se desenha nos últimos meses contra os servidores públicos e as empresas estatais para abrir caminho para o sucateamento e privatização do patrimônio nacional", acrescenta a nota da Fentect.

    Mais:

    Correios é importante demais para sair das mãos do Estado, defende funcionário
    Correios serão usados para acelerar cadastro de auxílio emergencial, diz Onyx Lorenzoni
    Greve dos Correios é em 'defesa da vida' e contra corte salarial na pandemia, diz funcionário
    Tags:
    Greve, correios, privatizações, privatização
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar