22:03 30 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    243
    Nos siga no

    Nesta terça-feira (18), a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, determinou que o Ministério da Justiça e Segurança Pública envie a todos os ministros do STF o suposto dossiê contra opositores do governo do presidente brasileiro Jair Bolsonaro.

    Segundo publicado pelo portal G1, a ministra pediu "máxima urgência e prioridade" na entrega do suposto dossiê, determinando que a documentação seja entregue ainda nesta terça-feira (18).

    A ministra Cármen Lúcia é relatora de uma ação do partido Rede Sustentabilidade que questiona o dossiê, que supostamente reúne informações de inteligência contra servidores públicos tidos como opositores do governo do presidente Jair Bolsonaro.

    Os documentos já foram entregues à Procuradoria-Geral da República (PGR) e à Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência do Congresso Nacional na segunda-feira (17).

    Ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, durante a cerimônia de posse no Palácio do Planalto, 29 de abril de 2020
    Ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, durante a cerimônia de posse no Palácio do Planalto, 29 de abril de 2020

    A existência do dossiê foi revelada em reportagem publicada pelo portal UOL em julho. A reportagem aponta que a Secretaria de Operações Integradas (SEOPI), órgão ligado ao Ministério da Justiça, produziu um documento com informações de 579 pessoas supostamente opositoras de Bolsonaro.

    O STF deve analisar a ação da Rede na quarta-feira (19). A ação aponta que a produção do dossiê evidencia "desvio de finalidade" e tem a intenção de "ameaçar e amordaçar" funcionários públicos.

    Mais:

    Ministro da Justiça condena ataque ao STF e cobra respeito às instituições
    STF encerra votação e mantém proibição de operações policiais no Rio durante a pandemia
    'Dossiê antifascista' pode gerar sanções penais contra ministro da Justiça, diz advogado
    Tags:
    Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar