10:33 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil na pandemia do coronavírus em meados de agosto (62)
    0 10
    Nos siga no

    Na primeira quinzena de julho, 44,8% das 2,8 milhões de empresas brasileiras relataram efeitos negativos da pandemia de COVID-19, segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) publicou nesta terça-feira (18) o terceiro ciclo da Pesquisa Pulso Empresa, que avalia os impactos da pandemia do novo coronavírus sobre as atividades do setor privado.

    Para 44,8% das 2,8 milhões de empresas brasileiras, os efeitos da pandemia de COVID-19 foram negativos. O efeito foi pequeno ou inexistente para 28,2% e para 27% os efeitos das medidas de isolamento social foram positivos.

    As empresas mais afetadas foram as pequenas, com até 49 funcionários e que respondem por 2,7 milhões do total pesquisado. Nesta faixa, 44,9% sofreram impacto negativo. Nas médias, que tem entre 50 e 499 funcionários, o impacto negativo foi sentido por 39,1% e entre as grandes o percentual ficou em 39,2%. Já o impacto positivo foi sentido por 27% das pequenas empresas, 23,4% das médias e 25,3% das de grande porte.

    Segundo o coordenador de Pesquisas Conjunturais em Empresas do IBGE, Flávio Magheli, os efeitos negativos da pandemia permanecem, mas houve melhora na comparação com a quinzena anterior, quando o impacto negativo atingiu 62,4% das empresas.

    "A diferença para as quinzenas anteriores é a maior incidência de empresas que relataram efeitos pequenos ou inexistentes (28,2%) e as que relataram efeitos positivos (27%), que, juntas, somam um percentual maior do que as que relataram efeitos negativos", disse Magheli, citado pela Agência Brasil.

    O setor de serviços foi o mais impactado no período pesquisado, com 47% das 1,2 milhão de empresas relatando efeitos negativos, com destaque para os serviços prestados às famílias (55,5%) e os serviços profissionais, administrativos e complementares (48,3%). No setor do comércio os efeitos negativos atingiram 44% de 1,1 milhão de empresas, com maior impacto no comércio de veículos, peças e motocicletas (52,4%).

    Magheli destaca que a reabertura dos setores econômicos se refletiu como uma melhora na percepção das empresas de serviços, que estava com impacto negativo em 65,5% na quinzena anterior, e do comércio, que atingiu 64,1% na última quinzena de junho.

    "Essa melhora de percepção fica evidenciada na maior incidência de empresas que sinalizaram um efeito pequeno ou inexiste, ou um efeito positivo. No caso do comércio, 35,5% das empresas indicaram efeito positivo. Esse cenário retrata o processo de reabertura, com maior fluxo de pessoas refletindo-se nos negócios. É natural que a percepção negativa vá reduzindo a cada quinzena, na medida que o isolamento social vá diminuindo", afirmou Magheli.

    A indústria ficou estável, com um impacto negativo em 42,9% das 313,4 mil empresas, e na construção, com 38% das 160 mil empresas afetadas negativamente.

    Demissões

    Segundo os dados da pesquisa do IBGE, 80,7% das empresas não fizeram alteração no quadro de funcionários na primeira quinzena de julho. Em 13,5% houve demissões e 5,3% contrataram. O maior percentual de empresas que demitiram é entre médias e grandes, num total de 380 mil empresas que diminuíram o quadro. Em 70,8% das que demitiram, a redução foi de até 25%.

    Do total de empresas, 22,4% anteciparam férias dos funcionários, 38,7% adotaram trabalho domiciliar, 12,8% acessaram linha de crédito emergencial para pagamento da folha, 37,6% adiaram o pagamento de impostos, 32% alteraram o método de entrega de produtos ou serviços e 18% lançaram ou passaram a comercializar novos produtos ou serviços.

    Tema:
    Brasil na pandemia do coronavírus em meados de agosto (62)

    Mais:

    Apenas 17% do crédito liberado no Brasil chegaram às empresas, diz jornal
    COVID-19: 4 em cada 10 empresas do Brasil suspenderam atividades em junho, diz IBGE
    Tags:
    economia, COVID-19, Brasil, IBGE
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar