18:22 25 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil na pandemia do coronavírus em meados de agosto (62)
    6141
    Nos siga no

    A vacina Coronavac se mostrou eficaz e segura, segundo estudo publicado nesta semana pela farmacêutica chinesa Sinovac.

    A pesquisa avaliou o comportamento de 600 voluntários vacinados na China durante a fase dois dos testes clínicos. A vacina é desenvolvida pela Sinovac Life Science em parceria com o Instituto Butantan.

    Segundo o coordenador dos ensaios clínicos da vacina Coronavac e diretor médico de Pesquisa Clínica do Instituto Butantan, Ricardo Palácios, o produto é promissor.

    "Os estudos feitos até agora, na China, demonstraram que mais de 90% dos voluntários que receberam as vacinas tiveram anticorpos capazes de neutralizar o coronavírus, isso é um diferencial", afirmou, citado pela Agência Brasil.

    Palácios, disse que os testes apontam que a imunização ocorre entre duas e quatro semanas após a aplicação do medicamento.

    "Duas semanas após a segunda dose as pessoas têm níveis de anticorpos capazes de neutralizar o vírus da COVID-19", afirmou Palácios, em entrevista à Agência Brasil.

    O laboratório chinês já realizou testes em cerca de mil voluntários na China, nas fases 1 e 2. Antes, o modelo experimental aplicado em macacos apresentou resultados expressivos em termos de resposta imune contra o coronavírus.

    A farmacêutica forneceu ao Butantan as doses da vacina para a realização de testes clínicos de fase 3, a última fase, em voluntários no Brasil, com o objetivo de demonstrar sua eficácia e segurança. Os testes estão sendo feitos com os profissionais de saúde.

    Tema:
    Brasil na pandemia do coronavírus em meados de agosto (62)

    Mais:

    Argentina e México vão produzir vacina para toda a América Latina, com exceção do Brasil
    Apesar de grande demanda externa, Rússia só exportará vacina após atender mercado interno
    OMS diz que não tem informações suficientes para julgar vacina russa contra COVID-19
    Tags:
    vacina, COVID-19, China, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar